Atentado no Marrocos causa repúdio internacional | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 29.04.2011
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Atentado no Marrocos causa repúdio internacional

Nações Unidas qualificam de horroroso o atentado num café de Marrakech e condenam todas as formas de terrorismo. França, Estados Unidos, Alemanha, Reino Unido e Brasil repudiam ataque.

Bombeiros auxiliam uma vítima dos ataques ao café

Bombeiros auxiliam uma vítima dos ataques ao café

O atentado num café para turistas em Marrakech, ocorrido nesta quinta-feira (28/04) e que deixou ao menos 16 mortos, foi duramente condenado por diversos países e pelas Nações Unidas. O Conselho de Segurança da ONU expressou sua solidariedade às vítimas.

Segundo um comunicado, o Conselho de Segurança "condenou nos termos mais fortes o ataque terrorista" cometido na cidade turística marroquina. As 15 nações que compõem o conselho, entre elas o Brasil, reafirmaram que "o terrorismo sob todas as suas formas e manifestações constitui uma das mais graves ameaças à paz e à segurança internacional".

O secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, declarou-se "horrorizado" com o atentado e reiterou que "nenhum objetivo político justifica, nem é alcançado, por tais atos odiosos", indicou o seu porta-voz, Martin Nesirky.

O governo brasileiro também expressou solidariedade às vítimas. Em nota, o Ministério das Relações Exteriores "reitera seu repúdio a todas as formas de terrorismo, praticado sob qualquer pretexto."

Na Alemanha, o ministro do Exterior, Guido Westerwelle, qualificou o atentado de um ato cínico e abominável, que o país condena da forma mais extrema. Ele também disse que o atentado não deve tirar o Marrocos do caminho das reformas.

Estados Unidos, Reino Unido e França expressaram-se de forma semelhante. A secretária de Estado norte-americana, Hillary Clinton, e o presidente francês, Nicolas Sarkozy, qualificaram o ataque de covarde.

Marokko Platz Djemaa El Fna Marrakesch Anschlag Café Flash-Galerie

O café Argana, local do atentado que matou 16 pessoas

Pior ataque desde 2003

Uma fonte judicial francesa revelou que a Promotoria Pública de Paris abriu uma investigação preliminar sobre o atentado, no qual morreram seis franceses. Segundo o ministro da Comunicação marroquino, Khalid Naciri, o ataque foi um ato terrorista.

"Trata-se de um ato terrorista, um ato criminoso deliberado. O Marrocos está confrontado com as mesmas ameaças registadas em maio de 2003 e vai enfrentá-las com vigilância e voluntarismo", assegurou Naciri.

O atentado foi perpetrado ao meio-dia desta quinta-feira no café Argana, no centro da cidade turística de Marrakech, na célebre praça de Jamaa el-Fna. Segundo a agência estatal MAP, 16 pessoas morreram e ao menos 21 ficaram feridas. Trata-se do atentado mais mortífero no reino no norte de África desde os ataques islamitas de 2003 em Casablanca, que causaram a morte de 45 pessoas, entre elas 12 homens-bomba.

AS/lusa/ap
Revisão: Rodrigo Rimon

Leia mais