1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Alemanha

Atentado mata soldados alemães no Afeganistão

Quatro soldados alemães foram mortos num atentado em Cabul neste sábado. Foi o primeiro ato de terror deste tipo contra o contingente alemão na tropa internacional de paz – ISAF no Afeganistão.

default

Ambulância da ISAF socorreu os feridos

Um táxi carregado com material explosivo detonou na manhã deste sábado junto a um ônibus com 33 soldados da Bundeswehr, as Forças Armadas alemãs, a cerca de cinco quilômetros do centro da capital, Cabul. Os soldados faziam parte das forças internacionais de paz ISAF, responsáveis pela garantia da paz e estabilidade no Afeganistão, após a derrubada do regime talibã.

O ônibus integrava um comboio que ia do acampamento das tropas alemãs ao aeroporto da capital afegã, onde os soldados embarcariam para a Alemanha. A explosão matou quatro alemães e causou ferimentos em outros 28, sete dos quais gravemente. Também civis afegãos estão entre os feridos. Outras 20 pessoas sofreram ferimentos leves.

"Situação não é segura, nem estável"

O ministro alemão da Defesa, Peter Struck, salientou ser a primeira vez que soldados alemães são vítimas de terrorismo no Afeganistão. Ao mesmo tempo, ele considerou o ato "a terrível confirmação" de que a situação não está sob controle naquele país. "Não houve indícios prévios concretos de um atentado, mas sabemos que a situação não é de segurança, nem de estabilidade", esclareceu o ministro social-democrata.

"Nossos soldados estão preparados para isso e tomamos todas as medidas para a sua proteção." Ele acrescentou que a missão alemã vai continuar, com a intensificação das patrulhas. O país participa do ISAF com 2500 soldados.

O presidente norte-americano manifestou condolências num telefonema ao chanceler federal alemão. Segundo o ministro Struck, George W. Bush ressaltou a Gerhard Schröder que, "mais do que nunca, os dois países são responsáveis pelo restabelecimento do Afeganistão num país democrático e não mais como ponto de partida de atos terroristas".

Na última quinta-feira (5/6), o Parlamento alemão havia definido as bases para a ampliação da missão dos soldados alemães no Afeganistão, no segundo semestre. Para disso, o Parlamento alemão aprovou uma "missão de reconhecimento", com especialistas dos ministérios da Defesa, Exterior e Cooperação Econômica, que viajarão ao Afeganistão na próxima terça-feira.

Tarefa perigosa – Em novembro do ano passado, pouco antes de uma visita do ministro do Exterior, Joschka Fischer, cinco a seis morteiros explodiram a 500 metros do QG do ISAF. Não houve feridos.

Um mês depois, um terrorista suicida explodiu-se diante do acampamento das tropas alemãs em Cabul. Dois intérpretes afegães da força internacional de paz para o Afeganistão (ISAF) ficaram feridos. Nenhum soldado foi atingido pela explosão.

Alguns dias mais tarde, caiu um helicóptero alemão em Cabul, matando os sete soldados alemães a bordo. De acordo com o Ministério da Defesa, em Berlim, o acidente teria sido provocado por uma pane no rotor principal. O ministro Struck havia excluído a possibilidade de atentado. Um porta-voz do contingente alemão das tropas de proteção do Afeganistão refutou acusações de que os soldados utilizassem equipamentos ultrapassados.

Em maio último, a explosão de uma mina a sudoeste de Cabul matou um soldado alemão e feriu outro.

Leia mais