1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Atentado mata oito em hotel de luxo em Trípoli

Grupo armado invade local na capital líbia que costuma abrigar delegações estrangeiras e abre fogo contra hóspedes. Jihadistas do "Estado Islâmico" assumem a autoria do ataque.

Um grupo armado invadiu nesta terça-feira (27/01) um hotel de luxo em Trípoli, onde delegações internacionais e funcionários do governo costumam se hospedar, e matou pelo menos oito pessoas – cinco delas estrangeiras. O atentado foi reivindicado pelo "Estado Islâmico".

Antes de invadir o hotel na capital líbia, quatro homens armados detonaram um carro-bomba em frente ao local, matando um guarda e ferindo várias pessoas. O prédio foi cercado pelas forças de segurança. Os cinco estrangeiros mortos são dois filipinos, um americano, um francês e um cidadão da Coreia do Sul.

"As forças de segurança foram evacuando o hotel andar por andar. Houve troca de tiros com os bandidos", afirmou o porta-voz da polícia Essam Naass.

Um refém morreu quando os sequestradores acionaram os explosivos que traziam consigo, após serem encurralados no 24°andar do hotel. Naass não divulgou o nome nem a nacionalidade dos estrangeiros que morreram no ataque.

Em breve comunicado no Twitter, o braço da organização extremista "Estado Islâmico" (EI) em Trípoli reivindicou a autoria do atentado.

Os jihadistas afirmaram que o ataque foi um ato de vingança pela morte de Abu Anas al-Liby, um suspeito de integrar a Al Qaeda e de ter participado contra os ataques às embaixadas dos Estados Unidos no Quênia e na Tanzânia em 1998. Liby morreu neste mês em um hospital em Nova York, pouco antes de seu julgamento.

A alta representante da União Europeia para política externa e de segurança, Federica Mogherini, disse que os ataques são "outro ato repreensível de terrorismo", além de ser um golpe nos esforços para trazer a paz e a estabilidade na Líbia.

Desde a queda do ditador Muamar Kadafi, em 2011, a Líbia está mergulhada em caos, em grande parte devido à instabilidade política. O país tem dois governos – um deles, no leste, reconhecido internacionalmente, e um rival na capital. Além disso, uma poderosa mílicia insurgente luta para assumir o poder.

CN/rtr/afp/dpa

Leia mais