1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Cultura

Atari Teenage Riot volta ao Brasil para provar que não vive do passado

Com forte mensagem política e a mistura barulhenta entre música eletrônica e punk, os veteranos do Atari Teenage Riot voltam ao Brasil com o show “Is this hyperreal?”, seu primeiro disco depois de uma década.

Para algumas bandas, voltar à ativa pode ser um negócio lucrativo. O mercado alimenta gerações saudosas por aquela sensação de juventude embalada pela trilha sonora ideal, que reaviva sonhos e esperanças de anos passados.

No entanto, é muito fácil torcer o nariz para a volta do Atari Teenage Riot. Uma banda, ainda jovem no nome, que promovia a revolução e a ação, não só em sua mensagem – sempre política – mas também na mistura única e barulhenta entre música eletrônica e punk. Em tempos pouco utópicos, o que pode ser dito de uma banda que pregava da forma mais visceral e direta a revolução e o anarquismo?

Volta acidental

Atari Teenage Riot (ATR)

Alec Empire fundou o ATR em 1992

O Atari Teenage Riot (ATR) acabou de maneira dramática, com a vocalista Hanin Elias deixando a banda horas antes de um show, no final de 1999, e o suicídio de Carl Crack, em 2001. No entanto, foi a própria Elias quem se aproximou, em 2009, do líder e vocalista da banda, Alec Empire, sugerindo que o grupo voltasse para um único show em Londres.

"Decidimos fazer o show. Quando anunciamos, percebemos certo cinismo nas pessoas. Entendo, eu teria a mesma reação. Não senti nenhuma pressão. Pensei que esse show seria uma boa maneira de refletir sobre o período da banda", declarou Empire em conversa com a DW Brasil.

Eles então decidiram gravar uma faixa e disponibilizá-la gratuitamente para os fãs na internet. Como uma volta ao passado, os dramas voltaram à rotina do Atari Teenage Riot. "Hanin percebeu que não conseguia cantar como antes. Estávamos com um novo MC [mestre de cerimônias] e queríamos fazer algo diferente, mas isso pesou para ela. Prefiro a confrontação a ter que reviver um passado que não existe mais", disse o vocalista.

A volta da banda aconteceu de maneira clássica, como um bom show do ATR nos anos 1990. Hanin não apareceu para o show em Londres, cujos ingressos estavam esgotados. A banda fez como fazia antes, Nicki cantou as partes de Hanin e o publico foi ao delírio.

O que mais impressionou Empire foi o público, formado 90% por jovens que nunca haviam estado num show do Atari Teenage Riot. "Fiquei surpreso, mas depois entendi que bandas novas como Crystal Castles e M.I.A mencionam o ATR como referência e com a internet é muito fácil entrar em contato com todo o tipo de música", completou.

Atari Teenage Riot (ATR)

O Atari Teenage Riot é conhecido pelos explosivos shows

Nova energia

A repercussão foi tão positiva que a banda marcou outros shows pela Europa. Para a primeira apresentação em sua cidade natal, eles escolheram o Berlin Festival, que acontece no antigo aeroporto de Tempelhof, lugar onde a banda embarcou para seus shows no Brasil em 1998.

"Acho que foi a época certa para acontecer e funcionou. Os conservadores de volta ao poder, não só no Reino Unido, mas em diversos países da Europa. A banda tomou uma decisão espontânea de continuar, e ver aonde tudo aquilo ia dar", disse Empire.

Uma força imprescindível não só para a relevância política e cultural da banda, mas também para impulsionar as apresentações ao vivo. "As pessoas estavam interessadas e fomos atrás dessa energia. Dai começaram os questionamentos se o ATR era capaz de fazer outro álbum, já que diversas bandas que voltaram a fazer shows não conseguem superar o passado de maneira digna ou simplesmente nem tentam", declarou Empire.

CD Cover Atari Teenage Riot - Is This Hyperreal?

Capa do disco 'Is This Hyperreal?', lançado em 2011

Depois da provocação de um jornalista de uma revista inglesa, Empire encontrou o produtor Steve Aoki num festival no Japão, que convenceu a banda a voltar ao estúdio. "Tem muita coisa acontecendo com o ativismo hacker e o Wikileaks, achei que tinha muito a ser dito. Se tivesse que repetir só o que dizia nos anos 1990, não funcionaria", completou. Assim nasceu Is this hyperreal? – disco lançado no ano passado que, com temas atuais, encontra o ponto de equilíbrio entre o passado do Atari Teenage Riot e uma produção mais experiente e madura.

Política e ação

Alguns temas abordados pela banda no passado continuam relevantes, como no álbum The Future of War de 1997. "O disco foi todo feito em cima da relação de como a política e as grandes corporações lucram com a guerra. Isso é exatamente o que acontece hoje. Acho válido retomar temas que ainda são relevantes", disse Empire.

O disco é um dos mais polêmicos da carreira da banda e até hoje continua proibido na Alemanha. A frase "I have a fear of a white planet" (tenho medo de um planeta branco) foi considerada racista. Ele não pode ser vendido ou tocado publicamente no país.

"Espere o inesperado"

Bandfoto Atari Teenage Riot

A banda fez três shows no Brasil em 1998

"Hoje em dia as pessoas nem precisam cometer um crime para serem presas, é só demonstrar qualquer intenção no Facebook", disse o vocalista à DW Brasil.

Para Empire, uma das grandes lutas dos próximos anos será como driblar a constante vigilância de governos e corporações, que têm acesso quase completo a todas as nossas informações e ações, principalmente através da internet. A banda, que está no estúdio preparando um novo álbum, quer deixar alta a expectativa dos brasileiros.

"Se o publico brasileiro for tão cheio de energia como eu me lembro, vocês podem esperar o inesperado. O Atari Teeenage Riot ainda tem a mesma essência, queremos ação e trazer mudanças para o que não funciona mais", concluiu o vocalista.

A revolução do Atari Teenage Riot trará seu hardcore digital e muita energia numa única apresentação no Brasil, nesta sexta-feira (15/06), no Cine Jóia em São Paulo.

Autor: Marco Sanchez
Revisão: Carlos Albuquerque

Leia mais