Ataque em reduto curdo acirra tensões na Turquia | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 04.11.2016
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Ataque em reduto curdo acirra tensões na Turquia

Atentado na maior cidade da região de maioria curda no país ocorre após a prisão de parlamentares sob acusação de colaborarem com PKK. Governo impõe bloqueios temporários à imprensa e às redes sociais.

Explosão, que matou ao menos um e feriu outros 30, pôde ser ouvida a quilômetros de distância

Explosão, que matou ao menos um e feriu outros 30, pôde ser ouvida a quilômetros de distância

Uma explosão matou ao menos oito pessoas e feriu outras 30 em Diyarbakir, a maior cidade da região de maioria curda na Turquia. O incidente, nesta sexta-feira (04/11), ocorreu horas após a prisão de membros da agremiação política pró-curda Partido Democrático dos Povos (HDP).

Imagens das emissoras de televisão mostravam destroços e janelas quebradas num edifício utilizado pela polícia atingido pela explosão que, segundo testemunhas, pôde ser ouvida a quilômetros de distância. As autoridades afirmaram que o atentado atingiu policiais e civis.

O governo de Diyarbakir culpou o Partido Dos Trabalhadores do Curdistão (PKK) pelo ataque, e disse que a explosão foi causada por um carro-bomba. O PKK é considerado um grupo terrorista pela Turquia. 

O atentado ocorreu horas após a polícia prender ao menos 12 membros do HDP, sob a acusação de colaborarem com o PKK, que há décadas luta pelos direitos políticos e culturais dos cidadãos turcos de etnia curda.

A polícia deteve os líderes do HDP Figen Yüksekdag e Selahattin Demirtas na madrugada desta sexta-feira em suas residências. As prisões aparentam fazer parte de uma operação em larga escala contra os parlamentares do HDP, após a remoção da imunidade parlamentar, sob acusações que vão de "disseminar propaganda terrorista" a "filiação a grupo armado terrorista".

Assistir ao vídeo 03:06
Ao vivo agora
03:06 min

Vítima de tortura, curdo denuncia a brutalidade do regime turco

O governo se utiliza de poderes extraordinários aprovados após a fracassada tentativa de golpe de estado, no dia 15 de julho, inclusive ao remover a prefeita eleita de Diyarbakir, e substituí-la por membro do partido governista.

As tensões na região de maioria curda no sudeste turco aumentaram significativamente após o colapso em 2015 do frágil cessar-fogo declarado pelo PKK, agravando os conflitos entre os militantes da organização curda e as forças do governo.

Após a explosão em Diyarbakir, o acesso às redes sociais como Twitter e Whatsapp foi bloqueado na Turquia, segundo informações do grupo Turkey Blocks, que monitora a internet no país. Outros portais tiveram o acesso propositalmente desacelerado, o que acaba os deixando inutilizáveis.

A agência de notícias Associated Press (AP), confirmou o bloqueio temporário à cobertura da explosão em Diyarbakir. As autoridades turcas afirmam que a medida visa evitar publicações e transmissões que possam gerar "medo, pânico e caos" na população. As ordens, porém, não afetam os anúncios públicos do governo, mas abalam por completo a cobertura jornalística no país, segundo a AP.

RC/ap/afp/rtr

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados