1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Ataque da Otan mata líder terrorista no Afeganistão

Mulá Abdul Rauf seria responsável por recrutar militantes para o "Estado Islâmico". Ele havia retornado ao Afeganistão em 2007, depois de seis anos detido em Guantánamo.

Um ataque aéreo da Otan, realizado com veículos não tripulados nesta segunda-feira (09/02) no Afeganistão, matou um comandante de um grupo local que recentemente havia jurado lealdade ao "Estado Islâmico" (EI).

Autoridades americanas disseram que oito pessoas foram mortas por um míssil lançado por drones. O míssil atingiu o carro onde elas estavam. A morte do mulá Abdul Rauf Khadim, antigo líder talibã que esteve preso em Guantánamo, foi confirmada por autoridades da província de Helmand, localizada no sudoeste do país. Também o genro dele morreu no ataque.

Em 2007, Khadim havia retornado ao Afeganistão logo após ter sido libertado de Guantánamo. Segundo fontes locais, ele havia se aliado recentemente ao EI e era responsável por recrutar militantes para o grupo extremista na região de Helmand.

Segundo um líder tribal de Helmand, cerca de 20 pessoas foram mortas recentemente em conflitos entre o EI e facções talibãs na região. De acordo com autoridades, o número de grupos que apoiam o "Estado Islâmico" no Afeganistão e no Paquistão ainda é pequeno, e eles enfrentam resistências de milícias já estabelecidas que possuem ligações com grupos tribais.

No mês passado, o EI anunciou que estava expandindo sua ação para o Afeganistão e o Paquistão. O crescimento do "Estado Islâmico" pode desestabilizar ainda mais a região e complicar os esforços americanos e da Otan para dar fim a conflitos que já duram 13 anos.

CN/ap/apf/rtr

Leia mais