1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Assassinato de jovem palestino provoca reações opostas na sociedade israelense

Extremistas seguem culpando palestinos, mesmo depois de suspeitos judeus terem confessado o homicídio do jovem Abu Khder. Contudo, há israelenses que rechaçam a violência e falam em rever conceitos.

"Vergonha – foi o sentimento na noite de domingo, quando se revelou a identidade dos assassinos do jovem Mohammed Abu Khder", escreveu uma colunista do jornal israelense Yedioth Ahronothno dia seguinte à notícia. "É uma imensa vergonha que isso tenha acontecido entre nós, que estávamos tão seguros de que essas coisas não podiam acontecer conosco e que só os árabes poderiam ser tão cruéis."

A notícia da detenção de seis jovens israelenses chocou e horrorizou o país. A investigação ainda corre em sigilo, porém a imprensa noticiou que três dos detidos teriam confessado o assassinato brutal do palestino de 16 anos. Segundo as primeiras conclusões da autópsia, Abu Khder foi queimado vivo, informou o procurador geral palestino no fim de semana.

Políticos de todos os campos condenam esse assassinato. Agora, também em Israel o ato é percebido como retaliação pelo homicídio de três adolescentes judeus: três semanas atrás, Eyal Yifrach, Gilad Shaer e Naftali Frankel foram raptados nas proximidades de um assentamento, e em 30 de junho seus corpos foram encontrados na Cisjordânia. O governo de Israel responsabilizou o Hamas pelas mortes, o qual, por sua vez, não assumiu o ato.

Desde então, o clima no país é mais do que exaltado. A morte do jovem palestino e a prisão dos presumíveis autores colocaram em xeque a autoimagem de muitos israelenses. Agitação popular e racismo também existem do lado de Israel, alerta um colunista do diário israelense Ha'aretz: o conceito de superioridade moral, de que "apenas os palestinos glorificam o assassinato de crianças e distribuem doces em seguida a atentados suicidas", precisa agora ser revisto.

Onda de protestos

Ainda no fim de semana, dezenas de ativistas de direita protestaram diante da residência do primeiro-ministro Benjamin Netanyahu. Forças de segurança israelenses observavam enquanto alguns manifestantes vestidos de combatentes do Hamas posavam para as câmeras de televisão, segurando fotos dos três israelenses mortos.

Israel - Ausschreitungen nach der Trauerfeier um Mohammed Abu Chedair

Violência irrompeu no funeral do jovem Mohammed Abu Khder

"É vergonhoso o que está acontecendo em Israel. Três jovens judeus foram raptados e mortos, e o governo não faz nada, tudo gira em torno desse palestino morto. Esses árabes não conhecem limites. Eles matam as nossas crianças e nós não fazemos nada. É absolutamente vergonhoso", diz Moshe, integrante de um grupo de ultradireita que recusa o convívio com os árabes.

Ron Kaufman, um outro manifestante, acrescenta, brandindo uma bandeira de Israel: "Nós estamos aqui porque o governo não age. Queremos a pena de morte para esses terroristas. Diariamente, 30 foguetes lançados da Faixa de Gaza explodem em Israel. Eu queria ver se o Canadá lançasse um foguete contra os Estados Unidos: aí não haveria mais o Canadá."

Os manifestantes exigem que a Faixa de Gaza seja duramente atacada, e o Hamas, destruído. Porém, algumas ruas adiante, vozes bem diferentes se faziam ouvir: na Praça Sion, no centro de Jerusalém, cerca de 40 pessoas protestavam contra a violência e a escalada recíproca.

"A violência aumentou muito em Jerusalém. É preciso que alguém esteja aqui no centro da cidade, para que a voz das pessoas normais, que são contra a violência e o ódio, também seja ouvida", apela Oron Elior, da organização Combatants for Peace. Esses "combatentes pela paz" se engajam pela convivência entre palestinos e israelenses. "Não se pode ficar passivo nesta situação. Se as pessoas permanecerem indiferentes, nunca nada vai mudar."

Tempos difíceis

No vácuo das negociações de paz suspensas, é ainda mais fácil a situação escalar, argumentavam muitos participantes do protesto. "Não me surpreendo com o excesso de violência. Ela parte do Estado, da ocupação. Não se pode esquecer quantos palestinos já foram mortos durante a operação militar na Cisjordânia", enfatiza o pacifista Amir Khalash.

Demonstration Jerusalem 06.06.2014

Manifestantes israelenses seguem exigindo vingança por morte dos três jovens

A poucas centenas de metros da Praça Sion, Matan Israeli acompanha o noticiário. O jovem artista vive em Jerusalém Oriental e trabalha com colegas palestinos em performances artísticas conjuntas. Ele descreve esse trabalho como construção de pontes entre a zona leste de Jerusalém, de maioria árabe, e o oeste judaico da cidade.

Em tempos menos tensos, já não é um trabalho fácil. O artista desabafa: após os acontecimentos recentes, ele quase não reconhece mais o seu país. "Isso me dá medo. Foi assustador caminhar aqui pelas ruas da zona oeste, ver essas pessoas marchando, esse ódio e toda a escalada de violência."

Seus planos de, também neste verão, desenvolver no seu bairro um projeto cultural com palestinos e israelenses, estão por enquanto congelados, revela Israeli. "Fazer algo assim, agora, seria uma catástrofe. Nós fingiríamos que existe uma convivência. Mas a realidade, infelizmente, é outra. Agora um abismo muito profundo se abriu entre os dois lados, vão ser necessários anos para recuperar o pouco de confiança que existia."

Leia mais