1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Assad culpa estrangeiros por violência na Síria

Situação na Síria prossegue sem solução. Plano de paz de Annan praticamente fracassou e conflitos continuam, enquanto Assad volta a falar sobre conspiração estrangeira. O assunto faz parte da agenda da cúpula UE-Rússia.

Em seu primeiro discurso no recém-eleito parlamento em Damasco, o presidente sírio, Bashar al Assad, afirmou neste domingo (03/06) que pretende continuar agindo com mão forte contra os movimentos de protesto em seu país.

Perante o parlamento, Assad culpou forças internacionais pela crise na Síria. O país se encontraria numa "verdadeira crise", disse Assad. O presidente sírio anunciou que pretende dar prosseguimento à "batalha contra terroristas" e que também recusa um diálogo político com a oposição síria no exterior.

Como "terrorista" o regime sírio descreve o movimento de protesto e democracia, que desde março de 2011 vai às ruas do país pedir o fim da era Assad. Segundo dados das Nações Unidas, mais de 10 mil pessoas já morreram desde então. A oposição síria fala em 14 mil mortes.

Em 7 de maio último, Assad permitiu que um novo parlamento fosse eleito – na esperança de sufocar os protestos contra seu regime. No entanto, a crise de Estado não conseguiu ser debelada. A oposição classificou a votação como farsa, e também fora do país houve críticas ao pleito.

Liga Árabe exige mais determinação da ONU

O discurso do chefe de Estado sírio acontece somente um dia após a Liga Árabe aumentar a pressão sobre a Síria. Reunidos neste sábado em Doha, no Catar, os ministros do Exterior da Liga exigiram um cronograma para a implantação do plano de paz do mediador da ONU, Kofi Annan. Além disso, eles decidiram que a TV estatal síria não poderá mais transmitir através dos satélites Nilesat e Arabsat.

Em reação ao massacre de mais de 100 pessoas em Hula, no dia 25 de maio, os ministros da Liga Árabe afirmaram que o Conselho de Segurança da ONU deverá ampliar a tropa de observadores na Síria, atribuindo-lhe mais poderes, para que possa proteger a população civil dos atos de violência e crimes.

Symbolbild Syrien TV Satellitenschüssel

Violência na Síria continua sem solução

O primeiro-ministro do Catar, Hamad bin Jassim al-Thani, disse durante o encontro, que também contou com a participação de Kofi Annan, que "é inaceitável que o massacre e o derramamento de sangue tenham prosseguimento, enquanto essa missão dura indefinidamente."

Annan advertiu que o perigo de uma guerra civil aumenta a cada dia na Síria. Ele disse ainda que o fato de os diferentes grupos religiosos se envolverem cada vez mais no conflito seria motivo de preocupação, já que isso poderia se alastrar para os países vizinhos.

O plano de paz de seis pontos de Annan prevê, entre outros, que a liderança síria retire suas tropas dos centros populacionais, liberte presos políticos e permita a ajuda humanitária. O objetivo é o fim da violência.

Síria na agenda de cúpula em São Petersburgo

Os conflitos na Síria também devem exercer um papel dominante no encontro de cúpula União Europeia-Rússia, que se inicia na noite deste domingo em São Petersburgo. Diversos países do bloco europeu pretendem levar o presidente russo, Vladimir Putin, a agir de forma mais acirrada contra a liderança em Damasco.

Juntamente com a China, a Rússia usa o seu poder de veto no Conselho de Segurança da ONU para impedir sanções mais duras contra o regime Assad. A Síria é um dos principais aliados da Rússia no Oriente Médio.

O ministro da Defesa da França, Jean-Yves le Drian, declarou que seu país participaria de uma missão militar na Síria sob mandato das Nações Unidas. Devido ao veto da Rússia e da China, na atual situação, tal missão não deverá acontecer.

CA/dpa/rtr/dw/epd
Revisão: Roselaine Wandscheer

Leia mais