As cidades históricas da Baixa Saxônia | Conheça os destinos turísticos mais famosos da Alemanha | DW | 06.11.2004
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Turismo

As cidades históricas da Baixa Saxônia

Continua nossa viagem pela região situada entre a Serra do Harz e a planície das charnecas (Heide). Venha conosco: de Wolfenbüttel a Hildesheim e Hameln, passando por Goslar e Göttingen.

default

O centro histórico de Goslar

A pasiagem logo depois de Wolfenbüttel, em direção ao sul, começa a se tornar montanhosa. No caminho, pode-se observar os campos e gramados. No início do verão, as plantações de colza podem ser admiradas e ao fundo já se vê as florestas que tomam conta da Serra do Harz. É aqui que está Goslar, rodeada de verde e de vários pequenos lagos, onde se pode tomar um banho refrescante. Ou seja, um destino atraente de viagem.

Goslar: patrimônio da humanidade

Breitetor und Peterstrasse

Goslar: patrimônio histórico da humanidade

Desde 1989, as minas desativadas de chumbo e zinco de Rammelsberg foram transformadas em museu e estão abertas ao público. Tanto o centro histórico de Goslar quanto as minas foram consideradas pela Unesco, em 1992, patrimônio histórico da humanidade.

Já de longe é possível enxergar o grupo de edificações construídas na década de 30: antigas instalações de fábricas (construções em madeira), que se adaptam de forma harmônica à floresta circundante.

Göttingen: fama de pólo científico

Göttingen, Aula der Universität

Universidade de Göttingen

No extremo sul da Serra do Harz, fica a universidade de Göttingen, fundada em 1734 e cuja fama, já no passado remoto, ia muito além das fronteiras da região.

Hoje, a universidade oferece cursos em 14 áreas do conhecimento, tendo cerca de 30 mil estudantes. Além do imponente salão de festas, o visitante pode visitar a antiga prisão da universidade, que esteve em atividade entre 1890 e 1933.

Hildesheim: também patrimônio histórico

Saindo de Göttingen em direção a Hanôver, é aconselhável dar uma parada na histórica Hildesheim, também tombada pela Unesco como patrimônio histórico da humanidade. Das cinco igrejas românicas que aqui existiram, a catedral (872 d.C.) e a igreja de São Miguel (Michaeliskirche, 1010 a 1030 d.C.) são alguns dos testemunhos que sobraram da arte “bernardina”. O bispo Bernardo mandou erigir, com dinheiro de seu próprio bolso, a Igreja de São Miguel, onde se pode hoje admirar as preciosas pinturas no teto.

Hameln: berço de fábulas

Cerca de 40 km distante de Hildesheim está Hameln, que se tornou conhecida através dos caçadores de ratos, que, segundo a lenda, raptavam as crianças da cidade ao atraí-las com uma flauta. Com 60 mil habitantes, Hameln está situada na região Weserbergland, que possui elevações de até 400 metros de altura, além de muitos campos e florestas.

Além disso, o rio Weser convida o visitante a navegar em suas águas ou mesmo a dar uma volta de bicicleta ao longo de seu curso. O centro histórico de Hameln, restaurado durante mais de duas décadas, brilha com suas edificações renascentistas típicas da região.

Leia mais