Artista alemã reinventa fotografia através da câmera escura | Cultura europeia, dos clássicos da arte a novas tendências | DW | 15.09.2008
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Cultura

Artista alemã reinventa fotografia através da câmera escura

Para os críticos, artista alemã Vera Lutter reinventou a fotografia ao resgatar a técnica da câmera escura. Na Galeria Max Hetzler de Berlim, a arquitetura atemporal de Veneza pode agora ser vista através de suas fotos.

default

Campo San Moisé, Veneza, VI: 3 de Março de 2006; 142,2 x 224,1 cm

Ausstellung Vera Lutter in Berlin

Corte Barozzi, Veneza, XXXI: 10 de Dezembro de 2005; 169,2 x 106,4 cm

Com um dos mais antigos aparelhos fotográficos, a câmera escura, a artista alemã Vera Lutter produz fotos de grande formato em preto e branco que resgatam sua fascinação pela arquitetura, por meios de transporte e pelas estruturas industriais. Através de um orifício na janela de um quarto ou de um contêiner, adaptados por Lutter como câmera escura, a fotógrafa capta imagens de outdoors, interiores e cenas urbanas de cidades americanas, como também de aviões, zepelins e imensas escavadeiras na Alemanha.

O tempo de exposição das imagens projetadas no papel fotográfico pregado na parede de sua "câmera" pode durar várias semanas. O trabalho é essencialmente sobre a passagem do tempo, como declarou a própria artista.

Seu interesse se voltou recentemente para a arquitetura atemporal de Veneza. A Galeria Max Hetzler de Berlim mostra até 18 de outubro próximo, as novas fotografias de Veneza da artista alemã que, para críticos como Peter Wollen, reinventou a fotografia por criar uma nova sensibilidade do tempo e do espaço.

Transformar experiência em obra de arte

Ausstellung Vera Lutter in Berlin

San Marco, Veneza, XXXVII: 14 de dezembro de 2005; 141,1 x 234,3 cm

Vivendo nos Estados Unidos desde os anos 90, Lutter estudou escultura em Munique e foi somente em Nova York que passou a se dedicar à fotografia. Em entrevista a Wollen, a artista explicou que a idéia da câmera escura surgiu por sua fascinação da cidade vista através das janelas de seu quarto. Lutter decidiu transformar a experiência em obra de arte: o espaço interno tornou-se câmera; um orifício na janela serviu de lente e seu corpo foi substituído por papel fotográfico pregado na parede, afirmou.

O resultado são projeções negativas em preto e branco. Os tons no papel aparecem ao reverso. O céu azul se torna escuro, o contorno dos objetos aparecem claros. A imagem em si é invertida e de cabeça para baixo. Controlando a distância focal que no caso de Lutter é a distância entre o orifício e a parede, ela controla o tamanho da imagem.

Em geral, Lutter usa folhas de papel fotográfico de cerca 1,40 metro de comprimento por 2,30 a 2,80 metros de largura, juntando-as em trítico, quando necessário. A própria fotógrafa revela suas fotos. E cada uma delas é uma cópia única.

Experiência subjetiva de visão de mundo

Ausstellung Vera Lutter in Berlin

Campo Santa Sofia, Veneza, XXIX: 21 de dezembro de 2007; 2 painéis, 254 x 284,5 cm

No trabalho da fotógrafa alemã, o movimento é função da luz e do tempo de exposição dos objetos fotografados que pode durar de horas até semanas. "O trabalho é essencialmente sobre a passagem do tempo, não sobre idéias de representação", afirmou a fotógrafa.

Desta forma, um corpo ou objeto em movimento aparece como uma mancha ou como uma imagem fantasma translúcida. Pessoas não aparecem nas fotos de Lutter. Esta também não é sua intenção, explicou.

"Sou o oposto de um fotógrafo de retratos. Se a interação com seres humanos fosse meu interesse, eu encontraria outra forma de expressão", afirmou Lutter. De certa forma, suas imagens lembram o Santo Sudário. Não foi à toa que a fotógrafa já pensou em fotografar pessoas mortas – uma idéia macabra, admitiu.

Desde o início de seu trabalho, sua intenção não foi fazer fotografia, mas um trabalho conceitual que repete e transforma o que ela vê. Talvez por transmitirem uma experiência tão subjetiva de visão de mundo, suas fotos parecem reduzir-se a espaço e tempo – para Kant, a condição da possibilidade de todos os fenômenos.

Resgate da perspectiva central

Ausstellung Vera Lutter in Berlin

Ca del Duca Sforza, Veneza I: 8 de janeiro de 2008; 3 painéis, 279,4 x 426,7 cm

Nas fotografias de Veneza, Lutter captou diferentes perspectivas da cidade entre a maré alta e baixa durante o longo tempo de exposição. A arquitetura veneziana parece flutuar sobre o solo a se decompor, comentam os organizadores da mostra. Como poucas outras, a obra fotográfica de Lutter explora as propriedades do claro-escuro. Antes de serem retratados como documentos de determinada época, a técnica escolhida por Lutter permite observar o caráter dos edifícios.

Outro ponto importante é o resgate da perspectiva com ponto de vista central, a partir do observador – como a câmera escura, um conceito medieval que rege toda sua obra, explica a fotógrafa. Segundo a maioria das fontes, a câmera escura foi desenvolvida na Europa no fim da Idade Média e aperfeiçoada no Renascimento.

De forma semelhante à usada por Lutter, as primeiras câmeras escuras eram tão grandes como um quarto. Seu tamanho foi se reduzindo com o correr dos séculos. Diz-se que artistas como Canaletto a utilizaram para pintar suas vistas de Veneza.

Além da mostra na galeria berlinense, fotografias tiradas por Lutter em Veneza também podem ser vistas no contexto da exposição Veneza - de Canaletto e Turner até Monet, em cartaz até 25 de janeiro de 2009 na Fundação Beyeler, em Basiléia.

Leia mais