Arte moderna da América Latina é tema de exposição em Bonn | Cultura europeia, dos clássicos da arte a novas tendências | DW | 23.09.2010
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Cultura

Arte moderna da América Latina é tema de exposição em Bonn

Continente é associado a cores vibrantes e à magia do Surrealismo. No entanto, a arte latino-americana guarda surpresas para os alemães, como é possível conferir na mostra aberta em Bonn.

default

Exposição acontece até janeiro de 2011

Quando se trata de arte moderna da América Latina, a maioria dos alemães pensam em nomes como Frida Kahlo e Diego Rivera. Mas no século passado, outros estilos artísticos também se fizeram bastante presentes na região: as pinturas e esculturas abstratas.

Tais obras podem ser vistas agora na exposição Vibración, no espaço de exposição Kunsthalle em Bonn, onde estão reunidos 200 trabalhos de artistas como Joaquín Torres-García, Lucio Fontana, Julio Le Parc, Carmen Herrera, Carlos Cruz-Diez.

"A arte abstrata moderna surgiu na Europa, por isso a maior parte das pessoas associa essa corrente com os Estados Unidos e o continente europeu", afirma o curador Juan Ledezma. Mas a percepção da geografia da arte está mudando. Há dez anos, museus do mundo todo se concentram na arte moderna da América Latina, assim como as universidades, que também têm se dedicado ao tema.

Contexto

Ausstellung VIBRACION Moderne Kunst aus Lateinamerika

Obra de Gertrud Goldschmidt

Vibración ilustra o impacto da abstração geométrica no trabalho dos pintores, escultores e fotógrafos. Além disso, a mostra apresenta imagens e esculturas da Op Art e da arte cinética dos anos 1960 e 1970.

As obras sugerem o contexto da urbanização e modernização da América Latina nos anos 1930 e 1940, momento em que muitos europeus emigraram para países sul-americanos. Entre eles, também estavam muitos artistas de origem judaica, que fugiram do regime nazista na Alemanha.

Deste grupo fazem parte três artistas judias que emigraram para a Venezuela, Brasil e Argentina e ganharam destaque na exposição: Gertrud "Gego" Goldschmidt, Mira Schendel e Grete Stern.

Grete Stern trabalhou com publicidade e criou extraordinárias fotomontagens da arte surrealista e dadaísta. Ao lado de seu marido, o fotógrafo argentino Horacio Coppola, ela dirigia um estúdio fotográfico que servia de ponto de encontro para intelectuais da época.

Frequentemente, eram esses atores e escritores que visitavam o local que acabavam sendo fotografados pela artista. Depois de ter se dedicado à fotografia urbana, Grete Stern documentou principalmente os povos indígenas da Argentina.

Arte Cinética

Ausstellung VIBRACION Moderne Kunst aus Lateinamerika

Retrato de Bertolt Brecht, por Grete Stern

Carlos Cruz-Diez é um dos primeiros representantes da arte cinética. Seu curta-metragem Movimento e Vibração no Espaço: Uma Escultura de Gego pode ser visto na mostra. No filme, as esculturas reticulares de Gego são usadas para criar uma estrutura através de linhas e sombras. Gego emigrou em 1939 para Caracas, onde deu início à criação de esculturas reticulares com fios de metal.

Uma dessas construções em treliça, batizada de Esfera nº 4, também faz parte da exposição no Kunsthalle de Bonn.

Aberta ate 30 de janeiro de 2011, a mostra Vibración oferece a possibilidade de se observar a diversidade da arte abstrata na América Latina, abrindo espaço para um diálogo que, agora, não pode mais ser pensado apenas entre Europa e Estados Unidos, mas engloba também o continente latino americano.

Autora: Gözde Peşman (mda)

Revisão: Carlos Albuquerque



Leia mais