Art Basel desconhece efeitos da crise sobre mercado de arte | Cultura europeia, dos clássicos da arte a novas tendências | DW | 10.06.2009
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Cultura

Art Basel desconhece efeitos da crise sobre mercado de arte

Centenas de galerias de todo o mundo expõem na Basileia, Suíça. Ao percorrer a Art Basel, maior feira de arte moderna e contemporânea do mundo, o visitante dificilmente sente os efeitos da crise sobre o mercado.

default

Autorretrato de Francis Bacon (1972), na Art Basel

Marc Spiegler, codiretor artístico da Art Basel, não vê nenhuma diferença em relação ao ano passado: "Encontramos colecionadores de todo o mundo – de Catar, da Rússia, da América do Sul e da China. É como sempre foi".

No entanto, não deixa de haver uma grande diferença. Todo o dinheiro de especulação que levou o mercado às alturas nos últimos anos não está mais em jogo.

Art Basel 2009 Franz West

'O Eu e o Id', de Franz West

Marc Spiegler faz questão de destacar que a Art Basel não apresenta uma arte popular e glamorosa, com a qual se ganha dinheiro fácil, mas sim artistas e colecionadores sérios. "Agora estamos passando por uma fase de maior concentração. Acho que na Art Basel é possível encontrar muita coisa interessante e não muito cara", avalia ele.

Colecionadores de segunda geração

Outra diferença no atual mercado de arte é a nova geração de colecionadores, a chamada geração dos herdeiros, cada vez mais presente no mercado. Marc Spiegler comenta que esta é uma boa época para colecionadores: "É possível preencher lacunas nas coleções. Também é possível iniciar uma coleção totalmente nova".

Na Basileia, ninguém quer falar de crise. E talvez com razão, considerando que a Art Basel é a maior feira de arte do mundo. Enquanto sua concorrente americana, a Art Miami Beach, realizada em dezembro do ano passado, reuniu sobretudo o público americano, a feira suíça tem uma maior representatividade internacional.

O curador Werner Spies, estudioso especializado no surrealista Max Ernst e diretor do museu de arte do Centro Georges Pompidou, em Paris, considera positivas as atuais condições: "Acredito que as coisas realmente boas – e na Basileia se encontram trabalhos realmente bons – são resistentes. Acho que, se insistirmos na qualidade, não haverá crise".

Art Basel 2009 Matthew Day Jackson

'Blum', de Matthew Day Jackson

Otimismo exagerado?

Apesar de todo o otimismo, o codiretor da Art Basel não tem acesso aos números: "Não podemos medir o faturamento. Não somos um leilão; por isso, não há transparência em relação às vendas das galerias".

Não é todo mundo, no entanto, que compartilha do otimismo em relação ao mercado de arte no momento. O colecionador alemão Frieder Burda, cujas aquisições ao longo de 40 anos estão expostas hoje em um museu em Baden-Baden, alerta contra expectativas exageradas.

Burda se admira de ver tão poucos sinais da crise. Tudo parece estar como antes, o número de pessoas circulando pela feira é inacreditável, a arte continua tendo qualidade e os preços permanecem altos. "Eu tinha certeza de que os preços se reduziriam drasticamente. Mas não é o caso. O comércio simplesmente não acredita na crise. Todo mundo se atém ao que viveu até agora e acha que as coisas vão continuar assim. Para o comércio, espero que continuem mesmo. Mas certeza disso eu não tenho", demonstra ele seu ceticismo.

Autor: Oliver Seppelfricke
Revisão: Augusto Valente

Leia mais