Arena de Barcelona recebe última tourada na região da Catalunha | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 25.09.2011
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Arena de Barcelona recebe última tourada na região da Catalunha

Lei catalã extingue tradicional apresentação espanhola na região. Ativistas pró-touradas buscam contornar decisão, que passa a valer a partir do ano que vem, no Parlamento espanhol.

Toureiro Jose Tomas será atração na arena de Barcelona

Toureiro Jose Tomas será atração na arena de Barcelona

A Catalunha se despede das touradas neste domingo (25/09). Três dos maiores toureiros vão participar da última apresentação na Arena Monumental de Barcelona, em cumprimento à proibição de uma das práticas mais tradicionais da Espanha na região. Todos os 20 mil ingressos foram vendidos – alguns chegaram a custar mais de 500 euros.

Aprovada em julho de 2010 pelo Parlamento catalão, a lei que extingue as touradas na região – onde vivem 7,4 milhões de habitantes – passará a valer a partir de 1º de janeiro do ano que vem. A lei acabará afetando apenas a arena de Barcelona, pois as de cidades como Gerona, Figueras e Lloret Del Mar foram demolidas há anos.

Grande parte da população aprova o fim das touradas

Grande parte da população aprova o fim das touradas

O toureiro Juan Mora, 38 anos, vai abrir a apresentação, seguido pelo maior matador da Espanha, Jose Tomas. O duelo entre o animal e os toureiros consiste em provocar o animal com uma capa vermelha, depois cravar estacas em seu dorso e, por fim, matá-lo com um golpe certeiro de espada.

"Tenho uma sensação muito triste dentro de mim por matar o último touro de uma arena como Barcelona", afirmou durante a semana o toureiro catalão Serafín Marin, que também participa da apresentação de despedida.

Proibição controversa

Os organismos de defesa dos animais, porém, festejaram a proibição das touradas na Catalunha após décadas denunciando uma tradição que qualificam como tortura e maus-tratos. "Este é um grande passo para a sociedade espanhola", afirmam as entidades, ressaltando que continuarão pressionando até que a prática seja banida em toda a Espanha.

Ativistas pró-touradas, no entanto, afirmam que a aprovação do veto à prática no Parlamento catalão tem caráter mais político do que necessariamente de defesa dos direitos dos animais.

Enquanto a popularidade das corridas de toros permanece grande em várias partes da Espanha, na Catalunha o interesse pela prática vem caindo desde a morte do ditador Francisco Franco, em 1975. Durante seu regime fascista, a região viveu forte repressão por causa de suas diferenças culturais e linguísticas em relação ao resto do país. O crescimento do nacionalismo catalão ocorreu paralelamente à repulsão a vários aspectos da tradição espanhola.

No fim da tourada, os animais são mortos com um golpe certeiro de espada

No fim da tourada, os animais são mortos com um golpe certeiro de espada

Dezenas de municípios já haviam aprovado declarações condenando as touradas quando o Parlamento catalão, dando sequência a uma proposta legislativa popular, decidiu pelo banimento.

"Banir as touradas na Catalunha é nada mais do que um ataque à liberdade", criticou Carlos Nunez, presidente da Mesa del Toro, federação que reúne entidades espanholas em defesa das touradas. As organizações pró-touradas agora buscam 500 mil assinaturas necessárias para darem entrada com uma proposta no Parlamento espanhol que eleve a prática ao status de herança cultural, garantindo sua continuidade.

Os dois lados prometem que a queda de braços está apenas começando. Para a ativista Soraya Gastón, defensora da proibição, as críticas à lei têm motivações políticas. "Obviamente muitos partidos tentaram politizar a discussão, mas não devemos esquecer que esta proposta de origem popular brotou puramente pela defesa dos direitos dos animais e visa acabar com a crueldade contra eles", explicou.

MS/afp/ap/dpa
Revisão: Alexandre Schossler

Leia mais