1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Arábia Saudita retoma ataques no Iêmen

Bombardeios foram registrados apesar de apelo da ONU pela extensão do cessar-fogo humanitário, que terminou no domingo. Sauditas disseram que não pretendem retomar a trégua, porque rebeldes não a teriam respeitado.

Após cinco dias de cessar-fogo humanitário, a coalizão liderada pela Arábia Saudita retomou nesta segunda-feira (18/05) os ataques aéreos a rebeldes houthis no Iêmen. O ministro iemenita do Exterior, Riad Yassin, acusou os rebeldes e seus aliados de terem "repetidamente desrespeitado" a trégua.

Apesar do apelo da ONU, a coalizão descartou estender o cessar-fogo. "Foi como dissemos: se eles retomassem os ataques, nós também retomaríamos", disse Yassin. Apesar da trégua, confrontos esporádicos continuaram acontecendo em algumas regiões do país.

O ministro ressaltou, porém, que, para que a ajuda humanitária continue chegando ao país, o aeroporto de Sanaa e aos portos de Aden e Al Hudaydah não serão atacados.

O cessar-fogo de cinco dias para permitir a ajuda humanitária aos iemenitas encerrou no fim da noite de domingo, mas segundo organizações internacionais, o prazo não foi suficiente para permitir a entrega de suprimentos à população. O enviado da ONU ao Iêmen pediu que a trégua fosse prorrogada por mais cinco dias.

Jemen-Konferenz in Riad

Em conferência, Ahmed pediu prorrogação da trégua

"Fazemos um apelo para o fim da violência e para que a assistência humanitária possa entrar livremente no Iêmen", disse na capital saudita o enviado da ONU ao Iêmen, Ismail Ould Cheikh Ahmed, durante uma conferência que reuniu, no domingo, líderes tribais iemenitas para discutir o fim turbulência política no país. Autoridades houthis, porém, se recusaram a participar do evento.

Acusações mútuas

Ambos os lados se acusam mutuamente de ter iniciado os ataques. Segundo testemunhas, a coalizão saudita bombardeou alvos na cidade portuária de Aden. Os sauditas, por sua vez, afirmam que os rebeldes houthis teriam transportado lança-mísseis para a fronteira com a Arábia Saudita, o que configuraria uma violação do cessar-fogo.

A Arábia Saudita e países árabes sunitas iniciaram a campanha aérea contra a milícia xiita houthi no final de março, depois que os rebeldes e seus aliados avançaram sobre Aden. A cidade era o último refúgio do presidente iemenita Abd Rabbuh Mansur al-Hadi. O avanço rebelde o obrigou a deixar o país rumo à Arábia Saudita. Os houthis também controlam Sanaa e boa parte do norte do país.

Segundo a ONU, desde meados de março, o conflito no Iêmen já matou mais de 1,4 mil pessoas, a grande maioria civil.

CN/rtr/dpa/ap

Leia mais