1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Arábia Saudita anuncia fim de bombardeios no Iêmen

Aliança militar liderada pelo Exército saudita dará início a nova fase da operação para impedir o avanço dos rebeldes houthis e proteger civis. Retomada de ataques aéreos contra a milícia, porém, não está descartada.

Após quatro semanas, a Arábia Saudita anunciou nesta terça-feira (21/04) o fim dos bombardeios contra os rebeldes houthis no Iêmen. Segundo o Ministério da Defesa, as ameaças ao reino e a países vizinhos foram minimizadas, e a operação entrará agora numa nova fase.

O general Ahmed Asiri, porta-voz da coalizão responsável pelos bombardeios, afirmou que conseguiu-se destruir posições-chave dos rebeldes, com a eliminação de armas pesadas e mísseis.

A partir desta quarta-feira, a coalizão dará início a uma nova operação, chamada "Recuperação da esperança". Ela terá o objetivo de impedir os avanços do movimento rebelde xiita Houthi, proteger civis e apoiar os esforços de evacuação e ajuda humanitária.

"Para implementar isso nós vamos continuar a realizar a nossa operação. Dentro de uma cidade como Áden vamos continuar protegendo os civis para evitar as operações das milícias", afirmou Asiri, se referindo à cidade portuária no sul do país, epicentro dos combates entre a coalizão e os rebeldes.

Apesar de anunciar o fim dos ataques aéreos, as forças terrestres e navais da Arábia Saudita vão continuar protegendo a fronteira com o Iêmen e bloqueando a transferências de armas para os rebeldes. Asiri não descartou o retorno, no futuro, dos bombardeios aéreos contra a milícia xiita.

Os rebeldes houthis conquistaram partes do território iemenita desde que entraram na capital, Sanaa, em setembro de 2014, e forçaram o governo a fugir. O caos aumentou em 26 de março, quando a coalizão liderada pela Arábia Saudita iniciou a ofensiva aérea para travar o avanço dos rebeldes.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) estima que até o momento 944 pessoas morreram no Iêmen. A agência da ONU alerta que os serviços de saúde no país estão à beira de um colapso, já que suprimentos médicos essenciais estão se esgotando.

FC/afp/dpa/rtr/efe

Leia mais