1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Aproximação à cubana

Normalização das relações com EUA conta com amplo apoio entre exilados e a população mais jovem, mas ainda esbarra em velhos estereótipos e numa extensa lista de exigências por parte de Havana.

Por mais divergentes que sejam as expectativas quanto à retomada de relações diplomáticas entre Havana e Washington, não há observador que questione o seu significado histórico. Após 50 anos de congelamento, os dois Estados procuram superar o abismo – até então intransponível – entre capitalismo e comunismo.

"Com esse passo, os presidentes dos Estados Unidos e de Cuba criaram condições para que situação em Cuba possa melhorar", escreve a blogueira cubana Yoani Sánchez, diretora do portal de internet 14ymedio.com. A questão agora, afirma ela, é utilizar os espaços recém-abertos.

Ao contrário de Washington, Havana prefere abafar expectativas excessivas. "Cuba não está normalizando suas relações com os EUA, ela está estabelecendo relações diplomáticas", explicou um porta-voz do Ministério cubano do Exterior, acrescentando que a normalização é um processo que ainda demandará muito tempo.

Série de exigências

O governo de Raúl Castro entra nas negociações com exigências elevadas. Cuba quer ser retirada da lista de Estados que patrocinam terroristas, onde está ao lado de Irã, Sudão e Síria; o fechamento de Guantánamo; o fim do embargo comercial; o reconhecimento das ONGs cubanas controladas pelo governo; assim como a suspensão das condições especiais para refugiados cubanos nos EUA.

Kuba Freigelassene Dissidenten mit Fahne 11.01.2015

Haide Gallardo (esq) e Sonia Garro estão entre os 53 presos políticos libertados por Havana antes das negociações

Por sua vez, os americanos insistem na liberdade de circulação para seus diplomatas em Cuba e no livre acesso à embaixada dos EUA para os cidadãos do país. A negociadora-chefe dos EUA, Roberta Jacobson, também quer estar apta a repatriar os 34 mil cubanos acusados de crimes nos EUA. Em contrapartida, deverão ser entregues a Washington os americanos que gozam de asilo na ilha caribenha.

O presidente Barack Obama parece não ter tempo a perder, e faz pressão. Em 15 de janeiro, o Departamento do Tesouro americano aprovou medidas importantes para "relaxamento as sanções a Cuba". Agora os cubanos residentes nos EUA podem enviar 8 mil dólares anualmente a seus parentes em Cuba, em vez de apenas 2 mil dólares. Para projetos de ajuda humanitária, não há mais um limite máximo.

Apoio entre exilados

De olho nos lucros com o turismo, as companhias aéreas dos EUA poderão desembarcar na ilha comunista, onde cartões de crédito americanos também passam a ser aceitos. A United Airlines já anunciou o estabelecimento de voos de Newark e Houston para Havana.

Às firmas nacionais é agora permitido investir na ampliação das telecomunicações em Cuba. Já em junho último, o diretor executivo da Google, Eric Schmidt, estava examinando as chances para uma "internet livre" em Havana.

Reaktionen von Exilkubanern in Miami auf die Annäherung von USA und Kuba

Para uma minoria dos cubanos exilados, aproximação Cuba-EUA é impensãvel

Entre os cerca de 2 milhões de cubanos exilados, cresce o apoio à nova política de abertura de Obama. Segundo enquete do Instituto de Pesquisas Cubanas da Universidade Internacional da Flórida, 52% da comunidade são a favor da suspensão do embargo. Na faixa etária dos 18 aos 29 anos, o nível de aceitação chega a 62%.

A facilitação de viagens e de transferência de dólares é aprovada por 70% dos entrevistados; 69% são a favor do estabelecimento de relações diplomáticas – entre os mais jovens a porcentagem alcança 90%. Por outro lado, a maioria dos cubano-americanos é contra a retirada do país insular da lista dos Estados patrocinadores do terrorismo.

Estereótipos recíprocos

Um dos opositores mais proeminentes do novo curso para Cuba é o senador Marco Rubio, republicano de ascendência cubana e um dos possíveis candidatos nas eleições presidenciais de 2016. Como sinal, ele convidou a filha do dissidente cubano morto Oswaldo Payá para o discurso do presidente no Congresso em Washington.

Deutsche Welle The Bobs Yoani Sanchez nimmt Preis entgegen

Bliogueira Yoani Sánchez (dir.) recebe prêmio The Bobs da DW em 2013

"Espero que a presença de Rosa Maria Payá lembre ao presidente Obama que os assassinos dos pais dela não precisaram responder à Justiça e que o governo dos EUA agora se senta com eles à mesma mesa", declarou.

Contudo, também em Havana não parece ser fácil para Castro e seus assessores se livrarem dos velhos estereótipos hostis. "Para o governo cubano, que pensa em outras categorias, os acontecimentos se precipitaram", comenta a blogueira Yoani Sánchez. Havana espera que o processo transcorra placidamente, sem ser atropelado por um excesso de entusiasmo.

Leia mais