Apple move processo contra café de 35 lugares em Bonn | Notícias e análises sobre a economia brasileira e mundial | DW | 04.03.2013
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Economia

Apple move processo contra café de 35 lugares em Bonn

Gigante dos computadores e celulares alega que a maçã na logomarca do estabelecimento Apfelkind poderia confundir seus clientes. Batalha judicial já dura um ano e meio e pode estar perto do fim.

Maçã parece ser mesmo o fruto proibido. Ao menos na interpretação da gigante do ramo de informática Apple. Desde 2011 a empresa move um processo contra um café de 35 lugares num bairro residencial de Bonn, Alemanha. A alegação é que a logomarca do estabelecimento gastronômico poderia provocar confusão entre os clientes que consomem os eletrônicos com a marca da maçã. Mas a batalha judicial parece estar perto do fim.

Cafe Apfelkind in Bonn

O pomo da discórdia na logomarca do café Apfelkind

A casa que serve café, chás e é especializada em doces feitos de maçã se chama Apfelkind (literalmente: "maçã-criança"). O café usa como marca uma maçã vermelha vazada, com a ilustração do rosto de uma criança dentro. É um café para mães e filhos, com espaço para os pequenos brincarem, enquanto as mães consomem as especialidades feitas com a fruta.

A batalha pelo direito de usar o próprio logotipo para estampar camisetas e brinquedos ou mesmo para transformar o negócio numa franquia, começou em 2011. Pouco tempo depois de dar entrada no registro da marca, a proprietária do Apfelkind, Christin Römer, recebeu uma carta da empresa Apple.

Em declarações à imprensa local, na época do início do processo, ela contou que sua primeira reação foi achar que se tratava de uma brincadeira. Mas depois percebeu que o assunto era sério. "Compreendo que a Apple queira proteger sua marca, mas, por favor, deve olhar onde", comentou então.

Perto do fim

Segundo informações da imprensa alemã, o representante jurídico da Apple reuniu-se com Römer a portas fechadas, no final de fevereiro. O encontro teria ocorrido no próprio café, permitindo que o advogado conferisse de perto a aplicação, em canecas, luminárias e almofadas, da logomarca considerada uma ameaça pela empresa norte-americana.

Em declaração ao jornal alemão Die Welt, a dona do café disse que a história deve ter um desfecho em breve e que está otimista com o resultado da conversa. No entanto, não revelou detalhes de um possível acordo. A disputa corre no Departamento Alemão de Patentes e Marcas, sediado em Munique, onde Römer  deu entrada no registro da logomarca em abril de 2011.

Repercussão

Logo Apple

Apple diz temer que clientes confundam as duas maçãs

A notícia do processo correu a imprensa mundial. A diferença de força das partes fez com que a disputa fosse comparada a luta de Davi contra Golias, em alusão a passagem bíblica da Batalha dos Filisteus. A proprietária recebeu chamadas de jornalistas até do Japão, curiosos com o embate da poderosa Apple contra o pequeno café. Ironicamente, as chamadas chegavam a Christin pelo seu iPhone. “Eu adoro os produtos da Apple", contou.

O processo repercutiu também em sites especializados em informática. A sugestão do Tech.Blorge, por exemplo, foi que, por achar os dois logos passiveis de confusão, a empresa norte-americana estaria precisando de um exame de vista.

Autoria: Ivana Ebel
Revisão: Augusto Valente