Apesar de histórica, visita do papa ao Reino Unido não entusiasma | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 16.09.2010
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Apesar de histórica, visita do papa ao Reino Unido não entusiasma

Esta é a primeira vez, desde meados do século 16, que um papa visita o Reino Unido na condição de chefe de Estado do Vaticano. Mesmo assim, é baixa a procura por lugares em missas, com entradas que custam 30 euros.

default

Chegada de Bento à Escócia

O papa Bento 16 chegou ao Reino Unido nesta quinta-feira (16/09), para uma visita de quatro dias. O pontífice não encontrou um clima de "fraternidade". País secular, no qual a influência da religião e da Igreja é visivelmente menor do que, por exemplo, na Alemanha, o Reino Unido tem apenas 10% de católicos entre sua população.

A convite da rainha Elizabeth 2ª, esta é a primeira visita do papa ao país, como chefe de Estado, desde a separação da Igreja Anglicana da Igreja Católica Romana e seu desvinculamento da autoridade papal, em meados do século 16.

Protestos

Hoje, a visita do pontífice ao Reino Unido move, contudo, mais manifestantes ateus que fiéis. "O papa tem motivos para se preocupar, pois sua visita desperta contrariedade e até uma certa raiva, pois ele foi convidado para divulgar opiniões que certamente não são compartilhadas pela maioria da população do país e talvez até nem mesmo pela maioria dos católicos britânicos", comenta Keith Wood, da Sociedade Nacional Secular.

O governo gastou aproximadamente 15 milhões de euros para trazer pela segunda vez um papa ao país – o que muitos britânicos consideraram demasiado caro. O cardeal escocês Keith O'Brien defende-se das críticas, afirmando ser natural que o país assuma os custos da viagem, já que o papa foi convidado pela rainha.

Desinteresse

"Com base em minha experiência com os fiéis e em conversas diárias na catedral de Westminster, tenho certeza que os católicos do país estão satisfeitos com essa visita. Eles querem mostrar ao papa seu apoio e afeto”, comenta o arcebispo Vicent Nichols, líder da Igreja Católica na Inglaterra.

O resultado de uma enquete comprova, no entanto, que esse entusiasmo não é tão grande assim: mais de 65% dos ingleses disseram ter pouco interesse pela visita do pontífice.

Muitos britânicos opõem-se à postura do Vaticano em relação ao aborto, ao uso de anticoncepcionais, ao homossexualismo e à ideia de mulheres exercendo o sacerdócio.

Também os escândalos de pedofilia abalaram a imagem da Igreja Católica no país. Em uma longa reportagem sobre o papa, veiculada pela televisão, em horário nobre, um repórter concluiu: “Não recebemos de bom grado esse papa no Reino Unido".

Terry Sanderson, um dos porta-vozes dos manifestantes avessos ao papa, convida a população a protestar no próximo sábado (18/09): “Não somos contra os católicos, mas contra este papa retrógrado, que não leva a Igreja adiante".

Großbritannien Vatikan Papst Benedikt XVI und Königin Elizabeth II Flash-Galerie

Bento 16 e a rainha Elizabeth 2ª

Missas vazias

As mais de 200 mil entradas para as três grandes missas, que serão rezadas pelo papa em Glasgow, Londres e Birmingham, ainda não estão esgotadas. Para participar, o fiel precisa desembolsar 30 euros – a forma encontrada pela Igreja de repassar parte dos custos da visita.

Após ser recebido pela rainha Elizabeth 2ª nesta quinta-feira (16/09), em Edimburgo, na Escócia, Bento 16 segue para Londres, onde deverá rezar uma missa no Hyde Park, na tarde de sábado, para 80 mil pessoas. Ao fim da visita, no domingo, o papa irá canonizar o ex-cardeal de Birmingham, John Henry Newman, líder da Igreja e teólogo, que, no século 19, deixou de ser anglicano e se converteu ao catolicismo.

Autor: Torsten Huhn (np)
Revisão: Soraia Vilela

Leia mais