Apesar da derrota, oposição sai fortalecida da eleição | Notícias e análises sobre os fatos mais relevantes do Brasil | DW | 27.10.2014
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Brasil

Apesar da derrota, oposição sai fortalecida da eleição

Votação expressiva deve credenciar Aécio a principal voz opositora no Congresso. Mas, para se manter forte até 2018, senador terá que superar a luta interna tucana em SP e se tornar mais ativo na cena política.

A votação expressiva de Aécio Neves, derrotado por uma margem de apenas 3% dos votos válidos, deve dar um fôlego extra a partir de 1º de janeiro de 2015 à oposição, que estava relativamente apagada do cenário político nacional desde a chegada do PT ao poder, em 2003. O mineiro, que tem mandato no Senado até 2018 e recebeu 51 milhões de votos, deve liderar a bancada opositora no Congresso.

A oposição vai contar com um número maior de congressistas. Juntos, os oposicionistas ampliaram o número de assentos na Câmara de 119 para 130. O PSDB passou de 44 para 54 deputados e se tornou a terceira maior força na Casa. Já a base de Dilma encolheu de 339 para 304, dentro de um total de 513.

Mesmo que, no Senado, o PSDB tenha visto sua bancada diminuir, de 12 para 10 cadeiras, a legenda deverá estar mais presente no cenário político nacional por contar com políticos experientes, como José Serra, eleito por São Paulo, e Tasso Jereissati, pelo Ceará.

A partir de 2015, os dois senadores vão reforçar o papel da oposição. A bancada governista no Senado, que reúne 52 senadores, terá 53 no ano que vem. Como a Casa tem 81 cadeiras, a oposição poderá chegar a 28.

"Para 2015, a oposição está mais forte, o que é muito bom para a democracia. Ela não deve mais ir contra os programas sociais, mas cobrar por pautas mais centrais, como reforma política ou crescimento econômico", diz o professor de Direito constitucional Alexandre Bahia, do Ibmec-MG. "Aécio, como toda a oposição, terá que aprender como criticar."

Mais espaço para criticar

Os tucanos tentarão aproveitar o descontentamento dentro da própria base governista – há sinais de racha, por exemplo, dentro do PMDB, aliado de longa data do PT – para aumentar o poder da bancada de oposição no Congresso e tentar exercer com mais poder o papel de fiscalizar as ações do Planalto.

TV-Duell in Brasilien Dilma Rousseff vs. Aecio Neves

Dilma deverá tentar trazer de volta à sua base algumas alas e partidos descontentes

Dilma, por sua vez, terá que tentar trazer de volta alguns partidos aliados à sua base, ao mesmo tempo em que o Congresso estará mais fragmentado.

Em 2015, seis novos partidos vão ter um total de 28 deputados federais. Em comparação com a atual legislatura, serão seis partidos a mais, o que vai servir de teste para o governo petista.

"Dilma terá que, primeiramente, montar sua coalizão de governo. Ela terá mais trabalho, pois o Congresso está mais fragmentado, e os partidos aliados do PT, com bancadas menores", diz o cientista político Cláudio Couto, da Fundação Getúlio Vargas (FGV). "O PSB, que sempre foi aliado, migrou para a oposição e dificilmente voltará à base aliada."

Para Bahia, partidos como PSDB e DEM não sabiam ser oposição. Além disso, o "fator Lula" era algo importante: por ser uma força política de grandes proporções, afirma o analista do Ibmec-MG, os êxitos sociais do governo colocavam a oposição num lugar desconfortável: ter que criticar quem tinha forte apoio popular.

Atuação apagada em quatro anos

Oscar Niemeyer Architekt National Kongress Brasilia

Para analista, a diminuição da bancada do PT na Câmara fortalece a oposição

Apesar da derrota, Aécio, com 48,4% dos votos, foi o candidato do PSDB mais bem votado numa disputa de segundo turno desde 2002. Naquele ano, Serra teve 38,7% contra Lula; em 2006, Geraldo Alckmin recebeu 39,2% também contra Lula; e, em 2010, Serra perdeu para Dilma com 43,9%.

Por sua vez, Dilma é a petista que se reelegeu com o menor percentual desde 2002, quando começou a polarização entre PT e PSDB no segundo turno.

O cenário faz com que o tucano se torne a figura política mais representativa da oposição e um dos nomes mais fortes do PSDB para disputar em 2018 a Presidência da República.

Para se sustentar, porém, Aécio precisará fazer mais do que apenas criticar o governo federal: terá que ser mais visível. O senador teve atuação apagada nos últimos quatro anos. E pode enfrentar resistência por parte dos tucanos paulistas.

Para Couto, a eleição deste ano poderia confirmar Aécio como principal força de oposição se não houvesse três fatores: a luta interna no PSDB pela indicação do próximo candidato presidencial – tendo os paulistas como protagonistas; a expressiva reeleição de Geraldo Alckmin em São Paulo, que reforça sua possível candidatura em 2018; e o fraco desempenho em seu berço eleitoral, Minas Gerais.

"A derrota de Aécio em seu próprio estado nos dois turnos e também na eleição para governador o enfraquece em sua base e tira parte de sua legitimidade para concorrer de novo em 2018", diz o analista político da FGV.

Leia mais