1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Economia

Apesar da crise, Europa lidera ranking de competitividade

Apesar da crise econômica europeia, seis países do continente estão na lista dos dez mais competitivos do mundo. O Brasil foi o único entre os Brics a subir cinco posições.

Suíça, Cingapura e Finlândia lideram o ranking mundial dos países mais competitivos, de acordo com a lista divulgada nesta quarta-feira (05/09) pelo Fórum Econômico Mundial. Apesar da crise econômica europeia, os 10 melhores colocados ainda são, claramente, países do norte e do oeste da Europa.

A Suécia ocupa a quarta colocação e a Holanda, a quinta. Como no ano passado, a Alemanha se manteve no sexto lugar colocação e o Reino Unido subiu do décimo para o oitavo lugar. Estados Unidos, em sétimo, Hong Kong, em nono e Japão, em décimo, completam o ranking dos dez mais competitivos.

Entre os países que compõem os Brics (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul), o Brasil foi o único que conseguiu subir posições de competitividade. No ano passado, o país ocupava o 53º lugar e, agora, está na 48ª posição.

A China continua liderando o grupo dos Brics, mas caiu três posições em relação ao ano passado, passando de 26º para 29º. A África do Sul ocupa, atualmente, o 52º lugar, seguida pela Índia (59º) e pela Rússia (67º).

Reflexos da crise

O ranking mostrou que, enquanto a Suécia e a Finlândia trocaram de posição, a Dinamarca caiu da oitava para a 12ª colocação. A França piorou e foi do 18º para o 21º lugar. Já a Áustria melhorou seus índices e subiu de 19º para a 16º.

Os países da Europa continuam sendo abalados pela crise econômica. Portugal caiu quatro posições, ocupando o 49º lugar no ranking e a Grécia caiu seis colocações, chegando a 96º. As surpresas do estudo foram a Espanha e a Itália: a Espanha permaneceu na 36ª colocação e a Itália subiu um degrau e está na 42ª posição.

Os Estados Unidos perderam colocações pela quarta vez consecutiva e saíram do quinto para o sétimo lugar. Os pontos positivos do país continuam sendo as empresas inovadoras, excelentes universidades e o maior mercado interno do mundo. Porém, o estudo mostrou que há uma falta de confiança na economia, nas instituições, na política e na estabilidade econômica.

Metodologia

O ranking de competitividade é baseado no Índice de Competitividade Global (GCI, em inglês) de 144 países. Esse índice, introduzido em 2004, foi desenvolvido pela Universidade de Columbia, nos EUA, para o Fórum Econômico Mundial. A classificação leva em conta 12 aspectos, chamados de pilares de competitividade, tais como infraestrutura, estabilidade macroeconômica, saúde e educação primária, eficiência no mercado de trabalho, nível de desenvolvimento tecnológico e tamanho de mercado.

FC/dw/afp/abr
Revisão: Mariana Santos

Leia mais