1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Economia

Após violência, Blockupy faz marcha pacífica em Frankfurt

Manifestantes contrários às políticas de austeridade impostas pela UE protestam em frente à nova sede do Banco Central Europeu. Após queima de viaturas e confrontos com a política, protesto termina em paz.

Mais de 10 mil pessoas lotaram a histórica Praça Römerberg, em Frankfurt, em um protesto pacífico na tarde desta quarta-feira (18/03), horas após a abertura da nova sede do Banco Central Europeu (BCE) no centro financeiro da cidade alemã.

A marcha pacífica da tarde em nada lembrou, porém, as cenas de violência registradas pela manhã, quando manifestantes do Blockupy – uma referência ao movimento Occupy Wall Street, que tomou parte do centro financeiro de Nova York em 2011 – queimaram viaturas e confrontaram policiais.

Segundo a polícia, 350 pessoas foram presas e 14 policiais ficaram feridos. Já os manifestantes alegam que 100 pessoas foram atacadas com spray de pimenta.

Formado por uniões trabalhistas e grupos anticapitalistas, o Blockupy critica as medidas de austeridade impostas a Estados-membro da União Europeia, como a Grécia.

Juntamente com a Comissão Europeia e o Fundo Monetário Internacional (FMI), o BCE forma a chamada troica, responsável por estabelecer critérios para concessão de créditos financeiros a países europeus em crise. Algumas destas condições impostas pela troica estariam aumentando o desemprego e impedindo o crescimento econômico dos países tomadores de empréstimos, alegam os manifestantes.

Um dos coordenadores ação desta quarta-feira, o espanhol Sol Trumbo Vila contou à DW que o protesto contou com pessoas vindas de diversos países, como França, Bélgica, Holanda, Dinamarca, Itália, Espanha e Portugal, que viajaram a Frankfurt para mostrar solidariedade aos gregos.

"O BCE é considerado um dos maiores responsáveis pelas políticas de austeridade que vêm sendo implementadas em toda a UE", disse Vila.

Para Pascoe Sabido, da organização Corporate Europe Observatory, era importante chamar a atenção para o fato de que, enquanto o banco europeu inaugura sua nova sede bilionária, exige que países em crise façam duros cortes em seus orçamentos. "Isso mostra onde a prioridades deles (BCE) está", afirmou.

Ao inaugurar sua nova sede de 1,3 bilhão de euros, o presidente do BCE, Mario Dragui, afirmou "não ser justo" responsabilizar o banco europeu pelas medidas impopulares de austeridades que vêm sendo adotadas em algumas partes da Europa. Dragui disse ainda que as manifestações adotam uma orientação equivocada, e defendeu que os países em crise tenham mais responsabilidade.

"Alguns, assim como esses manifestantes lá fora, acreditam que o problema é que a Europa está fazendo muito pouco. Mas a zona do euro não é uma união política do tipo que alguns países precisam permanentemente pagar por outros", afirmou Draghi.

MSB/rtr/afp/ap/dpa/dw

Leia mais