Após rebaixamentos, Merkel cobra pressa para novo fundo de resgate | Notícias e análises sobre a economia brasileira e mundial | DW | 14.01.2012
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Economia

Após rebaixamentos, Merkel cobra pressa para novo fundo de resgate

Líder alemã pede rapidez na criação do fundo permanente de resgate como resposta à redução das notas de nove países da zona do euro pela Standard & Poor's. Decisão de agência de rating é motivo de críticas na Europa.

Merkel: fundo permanente é, mais do que nunca, prioridade

Merkel: fundo permanente é, mais do que nunca, prioridade

A chanceler federal alemã, Angela Merkel, cobrou neste sábado (14/01) rapidez no estabelecimento do fundo permanente de resgate, o chamado Mecanismo Europeu de Estabilização Financeira (MEEF), ao comentar a redução das notas de nove países da zona do euro anunciada na sexta-feira pela agência de classificação de risco Standard & Poor's (S&P). Ela também ressaltou que a Europa tem um "longo caminho" pela frente para reconquistar a confiança dos investidores.

A Standard & Poor's anunciou na sexta-feira o corte na classificação da maioria dos países da zona do euro, entre os quais a França e Áustria, que perderam a nota máxima, e Portugal, Espanha e Itália, que baixaram dois pontos. "Reduzimos as classificações de Chipre, Itália, Portugal e Espanha, em dois níveis, os de Áustria, França, Malta, Eslováquia e Eslovênia, em um ponto, e mantemos os níveis da Bélgica, Estônia, Finlândia, Alemanha, Irlanda, Luxemburgo e Holanda", informou um comunicado da agência.

"Creio que agora fica mais claro que necessitamos rapidamente do MEEF, que estará abastecido de capital", disse a chefe de governo alemã, ao discursar diante de correligionários em uma reunião de cúpula de seu partido, a União Democrata Cristã (CDU), na cidade de Kiel. Ela afirmou que o fundo tornará as economias da Europa "independentes de tais classificações", porque os países não precisam recorrer ao mercado para conseguir mais dinheiro.

De acordo com o que foi acertado na última cúpula europeia, o MEEF substituirá a partir de julho o atual Fundo Europeu de Estabilização Financeira (FEEF), que se nutre de capital nos mercados e sofrerá provavelmente as consequências do rebaixamento de classificações.

Merkel sublinhou, ainda, que o rebaixamento reflete apenas a opinião de uma das três grandes agências de rating, e lembrou que a agência Fitch anunciou que manterá neste ano a melhor nota da França.

França avançará com medidas de austeridade

Fillon: tom sombrio ao comentar rebaixamento

Fillon: tom sombrio ao comentar rebaixamento

O primeiro-ministro francês, François Fillon, também deixou claro que o rebaixamento deve impelir os países europeus a implementarem rapidamente o pacto destinado a reforçar a disciplina orçamentária. Alemanha e França têm liderado os esforços de resgate de outros países da zona do euro, num momento em que o continente tem enfrentado crise após crise nos últimos dois anos.

Ele disse que seu país vai avançar com as medidas de austeridade após a agência de classificação de risco Standard & Poor's (S&P) ter rebaixado a nota da França.

Fillon adotou um tom sombrio ao comentar o rebaixamento, que feriu particularmente a autoconfiança francesa e pode prejudicar os esforços contra a crise europeia. A França é um país central para esses esforços, e o rebaixamento pode tornar os esforços franceses para ajudar outras nações ainda mais difíceis, já que pode onerar seus próprios custos ao pedir empréstimos.

Fillon disse que o rebaixamento confirmou a necessidades de seu governo conservador prosseguir nos planos de reformas para reduzir dívidas, apesar das preocupações de que mais medidas de austeridade possam sufocar o crescimento.

Ele assegurou que o governo não iria ajustar o orçamento ainda, afirmando que este foi planejado levando em conta uma suposição de aumento dos custos de empréstimos. A S&P havia alertado 15 nações europeias em dezembro que elas estavam em risco de rebaixamento.

O rebaixamento, que ocorre três meses antes das eleições presidenciais na França, foi "um alerta que não deve ser dramatizado mais do que deve ser subestimado", disse ele. A S&P retirou na França seu cobiçado status AAA, rebaixando a nota do país em um nível para AA+. A Itália caiu ainda mais. Já a Alemanha manteve sua classificação máxima.

Surpresa em Bruxelas, críticas de Chipre e Áustria

O comissário europeu responsável pela regulação dos mercados financeiros, Michel Barnier, disse estar "surpreso" com o momento escolhido pela S&P para descer a notação de vários países, quando a zona do euro está endurecendo as regras orçamentárias. "Quando todos os governos e instituições europeias estão mobilizados para reforçar o controle das contas públicas da União Europeia, me surpreendo com o momento escolhido pela agência Standard & Poor's e com a sua avaliação, que não leva em conta os progressos atuais", comentou.

Standard & Poor's: agência recebe críticas de europeus

Standard & Poor's: agência recebe críticas de europeus

O ministro das Finanças de Chipre, Kikis Kazamias, chamou de "arbitrária e infundada" a decisão da Standard & Poor's de cortar a nota de seu país em dois níveis, reduzindo a status de lixo. Ele disse no sábado que a agência ignorou as medidas de austeridade tomadas na ilha, assim como a descoberta de significativos depósitos de gás natural em sua costa. Ele afirmou que a medida ilustra uma vez mais como as agências de classificação de crédito exacerbam a crise da Europa.

O chanceler federal da Áustria, Werner Faymann, criticou a decisão da S&P de retirar de seu país a classificação máxima AAA e sublinhou que seu governo de coalizão está trabalhando em um pacote de austeridade. Ele escreveu em sua página no Facebook que "os dados econômicos da Áustria continuam a ser muito bons" e acrescentou que a decisão mostrou "que Áustria deve se tornar mais independente dos mercados financeiros".

MD/lusa/dpa/ap
Revisão: Carlos Albuquerque

Leia mais