1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Economia

Após perdas no exterior, empresas alemãs retornam

Muitas companhias que transferiram parte da produção para outros países estão voltando à Alemanha. Perspectivas de baixar custos não se concretizaram.

default

Maciços investimentos no exterior nem sempre compensam

Quase 25% de todas as indústrias alemãs transferiram parte da produção para o estrangeiro entre 2001 e 2003. Mas as expectativas de grandes lucros nem sempre se tornaram realidade: uma em cada quatro empresas que se aventuraram em outros países durante o período abortou o projeto e retornou à Alemanha. Surgiram obstáculos e problemas de diversas naturezas que não estavam previstos, obrigando os investidores a mudar os planos e bater em retirada.

De acordo com um estudo do Instituto ISI, da cidade de Karlsruhe, cerca de dois anos após grandes movimentos de transferência de produção para o exterior, acontece uma onda de retornos à Alemanha. A principal justificativa para a volta são os custos de produção que, tempos depois, se revelam mais altos que o esperado.

Em segundo lugar entre as principais causas de retorno, apontadas em 40% dos casos, aparecem razões de qualidade. Outro motivo alegado é o alto custo de gerenciamento e comunicação entre a matriz alemã e a filial no exterior, assim como a falta de mão-de-obra qualificada e a corrupção generalizada em muitos países, ainda de acordo com o levantamento.

Salários mais baixos

Entre os argumentos apresentados por empresas alemãs para transferirem parte da produção para o exterior aparecem os salários pagos ao trabalhador, bem inferiores aos da Alemanha, os impostos aparentemente mais baixos e a conquista de novos mercados. Para 85% das empresas que investem fora, os custos de produção aparecem como uma das razões para a decisão, enquanto 40% esperam conquistar novos clientes na região de destino.

TUI kauft kanadische Reederei CP Ships

Perspectiva de reduzir custos logísticos motiva transferência da produção

Um terço das empresas buscam, com a transferência da produção, ganhar em eficiência logística, podendo abastecer o mercado de forma mais rápida, enquanto um quarto é atraído por menores custos tributários. Mas segundo Steffen Kinkel, um dos autores do estudo do Instituto IFI, a decisão não é tão recional como parece: "No final, o que prevalece é a sensação de que é preciso transferir porque todas as empresas estão fazendo o mesmo", declara.

Decepção na Bulgária

A Optotec, que fabrica produtos ópticos, sentiu na própria carne as conseqüências negativas de transferir parte da produção para o exterior. Sediada no Estado de Brandemburgo, a empresa firmou em 1995 uma parceria com uma companhia búlgara para a fabricação de ferramentas de fundição a pressão. Joachim Mertens, diretor-gerente da empresa, relata que os prognósticos eram positivos. "Em lugar dos 43 mil euros que cada molde de fundição a pressão custava na Alemanha, o item iria custar 3900 euros na Bulgária", afirma.

Mas a história teve um final desastroso, por vários aspectos. "Os custos para a Optotec foram imensos: constantemente vinham à Alemanha operários búlgaros para aprender a trabalhar, e também vários técnicos alemães tinham que passar semanas na Bulgária. Além disso, os produtos que chegavam de lá tinham que ser corrigidos e retocados permanentemente", recorda o executivo.

No final, o prejuízo da Optotec foi enorme. "Quando fizemos um balanço, ficamos chocados: no primeiro ano, cada euro de faturamento na Bulgária custava outros sete euros, em lugar dos 40 ou 50 centavos esperados", conta Mertens.

Devido às altas expectativas, a companhia chegou a transferir cerca de 80% de toda sua produção para o país balcânico. Atualmente a situação é inversa, com apenas 20% sendo fabricados no exterior, correspondentes a peças de metal de menor complexidade.

Pirataria

A Sennheiser, empresa originária do Estado da Baixa Saxônia que produz microfones e fones de ouvido de alta tecnologia, também experimentou problemas ao transferir parte da produção para Xangai, na China. Problemas envolvendo qualidade dos produtos, logística, fornecedores, e perdas com tecnologia pirateada pela indústria local. Como conseqüência, a indústria decidiu retornar a produção para a Alemanha.

Outro exemplo negativo aconteceu com a Jungheinrich, de Hamburgo, que fabrica empilhadeiras. A empresa chegou a repartir o processo produtivo com unidades industriais próprias na Espanha, Reino Unido e França, mas o desempenho aquém do esperado fez com que a produção voltasse a ser tarefa das três fábricas localizadas em território alemão.

Setor elétrico tem menos problemas

Segundo o pesquisador do Instituto ISI, aquelas indústrias que investem fora da Alemanha com o objetivo maior de reduzir custos freqüentemente cancelam o projeto e regressam. "As empresas que saem buscando ficar perto do cliente ou abrir outros mercados são as que menos retornam", revela Kinkel.

Opel - Fabrik in Rüsselsheim

Fabricar automóveis no exterior não é tão lucrativo como possa parecer

Ele acrescenta que as empresas que mais se arrependem da transferência de produção e regressam pertencem ao segmento químico ou automotivo, que demandam altos investimentos em maquinário e equipamentos. As empresas que menos retornam são do setor elétrico, em que os maiores custos são gerados pela mão-de-obra.

Outro aspecto relevante, de acordo com o estudo, é o destino escolhido pela companhia para investir. Seis de cada dez empresas alemãs que optaram por transferir a produção para a Europa ocidental fecham as novas instalações no estrangeiro. Porém, no caso dos novos países-membro da União Européia, América Central ou do Norte, isso acontece em 20% dos casos. Entre as indústrias que escolhem destinos como América do Sul, Ásia e países da Europa do Leste que não fazem parte da UE, os porcentuais de cancelamento dos projetos são ainda mais baixos.

Leia mais