1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Brasil

Após mal-estar, PRG cancela palestra sobre ética com presidente da Siemens

Convite a Paulo Stark foi recebido com indignação por procuradores, que consideraram inoportuna a realização do evento no momento em que a multinacional alemã é investigada pelo escândalo do cartel do metrô de São Paulo.

A Procuradoria-Geral da República (PGR) cancelou a palestra que seria realizada pelo presidente da Siemens no Brasil, Paulo Stark, nesta sexta-feira (06/09) na sede do órgão, em Brasília. A decisão ocorre depois do mal-estar que o evento causou entre procuradores e servidores.

Conforme apurou a DW, os procuradores receberam com indignação o convite a Stark e consideraram inoportuno o fato de a palestra ser realizada justamente no momento em que a multinacional alemã é investigada por fazer parte de um cartel do setor metroferroviário em São Paulo e Brasília.

De acordo com a assessoria de imprensa da PGR, o evento está mantido, porém, sem a preleção de Stark, que falaria sobre o sistema de compliance da Siemens – conjunto de práticas que visam a garantir a conformidade dos atos da empresa a leis, políticas e diretrizes.

O subprocurador-geral da República e coordenador da 3ª Câmara de Coordenação e Revisão do Ministério Público Federal, Antonio Fonseca, dará a palestra no lugar do presidente da Siemens. Fonseca foi o responsável por fazer o convite a Stark.

O evento, que até então era fechado para membros e servidores da PGR, será agora também aberto ao público externo e a jornalistas. No mês passado, a Siemens delatou às autoridades brasileiras um cartel, do qual fazia parte, em licitações para a compra de equipamento ferroviário e para a construção e manutenção de linhas de trens e metrô no Distrito Federal e em São Paulo.

Em nota à imprensa divulgada na segunda-feira, Fonseca confirmou o convite e disse que foi graças à política da Siemens de ética e compliance que foi possível abrir o processo sobre o chamado cartel do metrô de São Paulo. “Neste sentido, a Siemens pode ser considerada um exemplo que deve ser seguido. Delatar não santifica o delator, mas salva o Brasil”, disse no comunicado.

Leia mais