Após derrota em referendo, Renzi anuncia renúncia | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 04.12.2016
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Após derrota em referendo, Renzi anuncia renúncia

Vitória do "não" em consulta popular sobre reforma constitucional na Itália leva primeiro-ministro a abrir mão do cargo. "Assumo toda a responsabilidade pela derrota do 'sim'", afirma.

Matteo Renzi

Renzi: "Não consegui levar o 'sim' à vitória"

Em referendo realizado neste domingo (04/12), eleitores italianos rejeitaram uma reforma constitucional proposta pelo primeiro-ministro, Matteo Renzi, apontam pesquisas de boca de urna. O premiê, que havia dito que renunciaria caso o "não" vencesse, cumpriu a promessa e anunciou que deixará o cargo.

"A experiência do meu governo termina aqui", disse Renzi em coletiva de imprensa pouco mais de uma hora após o fechamento das urnas. Ele descreveu a vitória do "não" como "extraordinariamente clara". 

"Não consegui levar o 'sim' à vitória", reconheceu o premiê, visivelmente emocionado. "Assumo toda a responsabilidade pela derrota."

Sondagens da emissora pública Rai indicam que o "não" recebeu de 58% a 60% dos votos, contra 40% a 42% para o "sim". Duas outras pesquisas, encomendadas pelas emissoras Mediaset e La7, também atribuíram ao "não" entre 56% e 60% dos votos.

Leia mais: O que estava em jogo no referendo da Itália

A reforma constitucional alteraria 47 dos 139 artigos da Constituição italiana, mas as principais mudanças atingiriam o Senado, que perderia muitas de suas competências legislativas e passaria a ter um caráter mais consultivo e de representação das regiões italianas.

Ao anunciar antes do pleito que renunciaria em caso de vitória do "não", Renzi provocou temores de que a Itália mergulhasse numa nova fase de incerteza política e econômica. 

Renzi, de 41 anos, assumiu o cargo em 2014, apresentando-se como um político contrário ao establishment disposto a reformar as instituições do país. No entanto, até o momento suas reformas tiveram pouco impacto, e a oposição reivindicou o slogan anti-establishment.

O Ministério do Interior informou pouco depois do final da votação que a participação chegou a 68,99% do eleitorado. Mais de 51 milhões de italianos tinham sido convocados a votar no referendo. Renzi falou numa "festa da democracia" ao elogiar o grande comparecimento às urnas.

O ministro das Finanças, Carlo Padoan, é o favorito para substituir Renzi.

LPF/efe/rtr/ap/dpa/afp/lusa

Leia mais