1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Após condenação, fonte do Wikileaks diz que quer virar mulher

Em carta aberta divulgada em TV americana, ex-soldado Bradley Manning, sentenciado a 35 anos de prisão, pede que passe a ser chamado de Chelsea e solicita apoio para que inicie uma terapia hormonal.

"Eu sou Chelsea Manning, sou do sexo feminino." A declaração ameaça suplantar, pelo menos temporariamente, o escândalo de espionagem em que o ex-soldado do Exército dos Estados Unidos está envolvido desde 2010, e que culminou com sua recente condenação a 35 anos de prisão.

"Transitando para esta próxima fase da minha vida, quero que todo o mundo conheça meu eu verdadeiro", declarou Bradley Manning em comunicado lido na manhã desta quinta-feira (22/08) no programa Today, da rede de TV americana NBC.

"Dado o modo como me sinto e tenho me sentido desde a minha infância, quero começar a terapia hormonal o mais breve possível. Espero que vocês me apoiem nesta transição", apelou. "Também peço que, a partir de hoje, vocês se refiram a mim por meu novo nome e usem o pronome feminino."

Histórico de problemas

Numa sentença classificada por muitos como excessiva e de fins intimidatórios, Manning foi condenado na quarta-feira a 35 anos sob custódia militar, por haver entregado mais de 700 mil documentos confidenciais à plataforma de revelações Wikileaks.

Foi a punição mais severa por vazamento de informações oficiais jamais imposta nos EUA. O tribunal de Fort Meade também determinou a despensa desonrosa de Manning, após ele haver cumprido pena, possivelmente na mesma base de Fort Leavenworth, no Kansas, onde tem estado confinado.

Durante o processo, o ex-cabo de 25 anos de idade relatara ao tribunal sobre sua luta contra a homossexualidade durante o serviço militar no Iraque. Na base Hammer – onde serviu como analista de inteligência, de 2009 a 2010, e reuniu os documentos posteriormente vazados para o Wikileaks – Manning teve pelo menos quatro surtos violentos, quebrando computadores e tendo que ser contido pelos colegas. Em outra ocasião, golpeou uma soldado no rosto.

Bradley Manning Gericht 30.07.2013

Manning deu sinais claros de ser inadaptado à rotina militar – que foram ignorados

Os informes oficiais sobre os incidentes foram ignorados pelos oficiais superiores, pois o Exército precisava das aptidões de Manning como analista de inteligência. Depondo como testemunha de defesa, o sargento reformado Paul Adkins apresentou um e-mail intitulado "Meu problema", que o cabo lhe enviara em abril de 2010, quando o suboficial era seu supervisor administrativo.

Anexando uma foto de si, de peruca loura e batom, Manning escreveu: "Este é o meu problema. Tive sinais dele por muito tempo. [...] Pensei que uma carreira militar ia pôr fim nisso. Não é algo que eu procure para obter atenção. Estou tentando me livrar dele com toda força, me colocando em situações em que seria impossível. Mas a coisa não quer passar".

Os advogados de defesa caracterizaram a mensagem a Adkins como um indicador da crise de identidade de gênero de Manning, numa época em que soldados declaradamente homossexuais eram impedidos de servir.

"Ser quem nunca teve a oportunidade de ser"

De acordo com seu advogado, David Coombs, presente durante a leitura da carta aberta pela NBC, Manning preferiu esperar o veredicto do processo Wikileaks antes de fazer a explosiva revelação sobre sua transexualidade, a fim de não obscurecer o caso.

Indagado se seu mandante processaria o governo dos EUA, exigindo a aplicação de terapia hormonal e cirurgia transexual, Coombs respondeu: "Não sei quanto à cirurgia de mudança de sexo [...] Chelsea não indicou que seja este seu desejo, mas no que toca a terapia hormonal, sim".

"Estou torcendo para que Fort Leavenworth tome a decisão certa e proporcione isso", acrescentou." [Caso contrário] vou empreender tudo no meu poder, para forçá-los a fazê-lo".

O advogado negou que Manning tencione cumprir pena numa penitenciária totalmente feminina. "Acho que a meta final dela é estar confortável na própria pele e ser a pessoa que ela nunca teve a oportunidade de ser."

Bradley Manning

Assim como Edward Snowden, ex-soldado é traidor para uns, herói para outros

Nem terapia, nem perdão

No entanto, o Exército americano já indeferiu de antemão as pretensões de Manning e Coombs relativas à transexualidade do condenado. "Todos os internos são considerados soldados e tratados como tal, com acesso a profissionais da saúde mental, incluindo um psiquiatra, psicólogo, assistentes sociais e suboficiais especializados em ciência comportamental", declarou a instituição, através de um porta-voz.

Ainda durante a entrevista à NBC, David Coombs revelou que no início da próxima semana apelará ao presidente Barack Obama para que perdoe Manning ou comute sua sentença para o tempo já cumprido.

O jurista leu no ar um trecho da carta de Manning ao presidente: "Eu lamento se minhas ações feriram qualquer pessoa ou prejudicaram os Estados Unidos. Nunca foi meu intento ferir quem quer que seja".

Após ser preso, Manning disse que sua motivação para a revelação em massa fora expor irregularidades e provocar debate sobre os meios diplomáticos e as Forças Armadas dos EUA. A Casa Branca informou que o requerimento será considerado "como qualquer outro". No entanto, um perdão parece improvável.

O pedido de comutação conta com o apoio da ONG Anistia Internacional, com base no fato de o denunciante estar há mais de três anos atrás de grades, dos quais 11 meses "em condições descritas como cruéis ou inumanas pelo relator especial das Nações Unidas para tortura".

AV/afp/ap

Leia mais