1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Esporte

Após avalanche fatal, Nepal muda rota do Everest

Novo trajeto apresenta menos risco de deslizamentos de neve e terá como objetivo evitar local onde 16 alpinistas morreram no ano passado.

Autoridades nepalesas anunciaram nesta quarta-feira (18/02) que vão mudar a rota utilizada pelos montanhistas no Everest, após a avalanche que matou 16 guias locais no ano passado, no acidente com mais mortes na história das escaladas do pico mais alto do mundo.

A nova rota conduzirá os alpinistas ao centro da cascata de gelo Khumbu, logo acima do acampamento-base na montanha, evitando o lado leste da geleira onde ocorreu a avalanche fatal no ano passado.

"Vamos estabelecer a rota pelo centro para minimizar os riscos de avalanches", explicou Yangee Sherpa, da agência governamental responsável pela escolha da nova rota. "Já preparamos os equipamentos necessários para o início da estação."

Uma equipe de alpinistas experientes vai preparar a rota para o pico de 8,848 metros no próximo mês. Eles vão fixar as cordas de segurança no local, utilizado pela última vez em 1990.

"Khumbu é conhecida por ser uma rota difícil, por isso vamos utilizar um caminho central na cascata de gelo neste ano", afirmou Lhakpa Sherpa, vice-presidente da Associação de Instrutores de Guias Montanhistas do Nepal.

Norbu Sherpa Mount Everest Expedition

Guias locais durante expedição no Everest

Tashi Sherpa, que já escalou o Everest oito vezes, explicou que a nova rota é menos arriscada porque não há abismos de gelo ou geleiras pendentes sobre o local. Ainda assim, alerta ele, as geleiras podem repentinamente se romper na primavera, propiciando quedas de rochas e avalanches.

"É um pouco mais difícil de escalar, mas há menos perigo de acidentes com gelo ou neve caindo de cima", conta.

A morte dos 16 montanhistas durante a breve estação de escaladas no ano passado levou ao fechamento, até então sem precedentes, do pico mais alto do mundo.

Mais de 300 pessoas, em sua maioria guias locais, perderam a vida na montanha desde a primeira vez que se chegou ao

topo do Everest em 1953

.

RC/afp/dpa

Leia mais