Após anulação parcial da imunidade de Berlusconi, Justiça investiga acusação de abuso de poder | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 14.01.2011
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Após anulação parcial da imunidade de Berlusconi, Justiça investiga acusação de abuso de poder

A Justiça de Milão anunciou que abriu investigação sobre o envolvimento de Silvio Berlusconi com um suposto caso de prostituição, um dia depois de um tribunal restringir a imunidade do primeiro-ministro italiano.

default

O primeiro-ministro italiano, Silvio Berlusconi

O primeiro-ministro italiano, Silvio Berlusconi, está sendo investigado por suposto envolvimento em um caso de prostituição, segundo informaram nesta sexta-feira (14/1) autoridades judiciais em Milão. O anúncio foi feito um dia depois que o Tribunal Constitucional italiano anulou parcialmente uma lei introduzida em 2010 pelo governo, dando imunidade judicial a Berlusconi e a outros membros do governo.

Promotores afirmaram, em um comunicado, que intimaram Berlusconi a prestar depoimento. O caso envolve uma dançarina marroquina que disse ter recebido 7 mil euros depois de ter participado de festas na casa do primeiro-ministro no início de 2010, quando ainda tinha 17 anos de idade.

Acusações de abuso de poder e prostituição de menores

Segundo os investigadores, Berlusconi é suspeito de abuso de poder, devido à sua intervenção em nome de uma dançarina de casa noturna, quando ela foi detida em maio de 2010 sob a acusação de roubo. As autoridades também investigam Berlusconi por envolvimento em prostituição de menores.

Os advogados de Berlusconi negaram as acusações e afirmaram que o processo é "absurdo e sem fundamento" e que, segundo eles, desrespeita a vida privada do primeiro-ministro. "É, realmente, uma interferência muito grave na vida privada do primeiro-ministro, que não tem precedentes na história da Justiça do país", acusaram os advogados Piero Longo e Niccolo Ghedini, através de um comunicado conjunto.

Partygirl Ruby

A marroquina Ruby durante festa em discoteca de Gênova

O caso de uma dançarina de boate cujo nome artístico é "Ruby" dominou a imprensa italiana no ano passado. A história veio à tona em outubro de 2010. Berlusconi reconheceu que interveio em favor da moça, pedindo para a polícia que a entregasse à custódia de uma política regional e ex-dançarina de televisão, Nicole Minetti.

Berlusconi teria dito à polícia que a garota era sobrinha do presidente egípcio, Hosni Mubarak. Na sexta-feira, a polícia revistou os escritórios de Minetti e apreendeu documentos e arquivos de computador. Minetti também estaria sendo investigada em conexão com o caso.

Desde que voltou a liderar o governo em 2008, Berlusconi se envolveu em vários escândalos sexuais.

Berlusconi pode ser julgado por fraude e corrupção

Na quinta-feira, o Tribunal Constitucional italiano restringiu a imunidade de Berlusconi, abrindo caminho para que ele possa ser julgado por corrupção e fraude. Os juízes declararam ser inconstitucional, em importantes pontos, a chamada lei do "impedimento legítimo", que dá imunidade penal a membros do governo, à qual Berlusconi se reportava para não comparecer a julgamentos.

A corte decidiu que os juízes devem examinar e decidir caso a caso se o primeiro-ministro deve comparecer aos tribunais. Com isso, podem ser retomados dois processos em Milão contra o chefe de governo: um por fraude fiscal (caso Mediaset) e outro por corrupção de testemunha (caso Mills).

Apesar da decisão, o líder italiano descartou a realização de eleições antecipadas. "A decisão tomada pelo Tribunal Constitucional não terá absolutamente influência alguma. O governo continuará trabalhando. A última coisa que a Itália precisa agora é de novas eleições", disse Berlusconi, em entrevista à TV italiana.

MD/rtrs/lusa/dpa
Revisão: Roselaine Wandscheer

Leia mais