1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Após 60 anos, coreanos separados por guerra se reencontram

Visita negociada pelas duas Coreias com apoio da Cruz Vermelha permite que centenas de sul-coreanos revejam parentes que vivem isolados na Coreia do Norte. Mais de 65 mil pessoas ainda esperam por um reencontro.

default

A sul-coreana Lee Soon-kyu (esq.), de 85 anos, reencontra seu marido norte-coreano, Oh In Se, de 83 anos

Após mais de seis décadas do fim da Guerra da Coreia, cerca de 400 sul-coreanos puderam viajar nesta terça-feira (20/10) à Coreia do Norte para se reencontrar com familiares que vivem no país comunista.

A visita de três dias, que ocorre na região montanhosa de Kumgangsan, foi autorizada em setembro, após

negociações

entre integrantes da Cruz Vermelha dos dois países.

"Não dormi a noite toda", disse o sul-coreano Lee Joo-Kuk, de 82 anos, que viajou para encontrar o irmão. "Nossa família tinha certeza de que ele estava morto. Até fizemos rituais em memória dele. Mas, então, recebi a notícia de que ele está vivo e quer nos ver. É como se ele tivesse ressuscitado."

O emocionante reencontro entre a sul-coreana Lee Soon-kyu, de 85 anos, e o marido Oh In Se, de 83 anos, também foi captado por jornalistas que acompanham a visita.

Mais de 65 mil sul-coreanos estão na lista de espera para reencontrar os parentes que não veem desde o fim da Guerra da Coreia (1950-1953), que consolidou a divisão da península. O último encontro do tipo aconteceu em fevereiro de 2014.

As reuniões são resultado da cúpula das Coreias, realizada em 2000, e se esperava que acontecessem anualmente, mas o evento de outubro será apenas o segundo em cinco anos.

Os sul-coreanos chegaram numa caravana de ônibus a Kumgangsan, levando roupas, medicamentos, comida e dólares em espécie para os familiares que vivem na pobreza.

A Coreia do Norte, comandada por um governo comunista, está isolada e é um dos países de mais difícil acesso do mundo, enquanto a Coreia do Sul tem um governo democrático.

A maioria dos que foram separados pela guerra morreu sem ter tido a chance de rever seus familiares, e muitos outros não têm a possibilidade de contatar os parentes por telefone ou cartas.

De acordo com a programação oficial do encontro atual, os familiares terão seis encontros nos próximos três dias, cada um com duração de duas horas. A maioria dos escolhidos para a vista tem mais de 80 anos de idade.

KG/afp/dpa

Leia mais