1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Após 20 anos, vítimas do apartheid ainda esperam por justiça na África do Sul

Criada por Nelson Mandela, Comissão da Verdade e Reconciliação é considerada referência mundial na investigação de um sistema opressor – mas deixou falhas. Passadas duas décadas, ela continua sendo alvo de críticas.

default

Nelson Mandela e Desmond Tutu, respectivamente, criador e presidente da Comissão da Verdade sul-africana

Na semana passada, o governo do Sri Lanka anunciou o estabelecimento de uma Comissão da Verdade e Reconciliação para reunificar o próprio povo após o fim de décadas de uma guerra civil. Como primeiro passo, o Ministério cingalês do Exterior enviou uma delegação à África do Sul, para aprender com a experiência da comissão sul-africana responsável pelo resgate crítico dos crimes do apartheid.

O Sri Lanka é apenas o exemplo mais recente. Em diversos países – como a Libéria, a Coreia do Sul e o Timor Leste – o exemplo da lendária Comissão da Verdade e Reconciliação sob o comando do Prêmio Nobel da Paz, o arcebispo Desmond Tutu, é uma referência constante. No entanto, muitos observadores na África do Sul não estão convencidos do trabalho da comissão.

"Eu vejo com algum ceticismo", afirma Piers Pigou, diretor para a África do Sul do think tank internacional Grupo de Crise. Isso porque, segundo Pigou, diferentemente do que se percebe do exterior, o saldo do trabalho da comissão sul-africana é, na melhor das hipóteses, confuso. "Há o perigo de que tais comissões sejam usadas simplesmente como instrumento cínico para jogar pro lado a identificação da injustiça", diz.

Instalada pelo então presidente Nelson Mandela, a Comissão da Verdade e Reconciliação da África do Sul é, até hoje, a maior empreendimento desse tipo em todo o mundo. Entre 1996 e 1998, o grupo formado por pessoas proeminentes ouviu publicamente mais de 20 mil pessoas.

Mais de 7 mil transgressores entraram com pedido de anistia, concedida pela comissão a uma minoria em troca de confissões completas. As declarações das vítimas e, em parte, também dos criminosos, abalaram profundamente não somente a opinião pública, mas também o presidente Tutu, que caiu em lágrimas já na primeira audiência.

Nenhuma compensação

Em dois anos de trabalho, a comissão mostrou ao mundo e, principalmente, aos sul-africanos, que a extensão dos crimes do apartheid – incluindo a tortura sistemática, assassinatos e até mesmo atentados terroristas – foi muito maior do que se pensava. Isso também vale para a brutalidade dos combatentes do Congresso Nacional Africano (CNA), atualmente à frente do governo, como também de outros grupos.

Südafrika Apartheid Schild White Area

A segregação racial foi imposta brutalmente na África do Sul

No entanto, 20 anos após o fim do apartheid – comemorados neste domingo (27/04) – representantes e parentes das vítimas desses crimes não estão satisfeitos com o trabalho da comissão. "A Comissão da Verdade não cumpriu sua principal tarefa", critica Marjorie Jobson, que dirige a associação de vítimas Grupo de Apoio Khulumani (KSG, na sigla em inglês). Ela ressalta que a comissão não conseguiu indenizar as vítimas nem restaurar a dignidade delas.

A comissão falou em indenização a 16 mil vítimas. "Mas, quando se consideram somente as piores violações dos direitos humanos, como tortura, assassinato, sequestro e desaparecimento, identificamos 120 mil pessoas que deveriam ser indenizadas", afirmou Jobson.

Ela explica que a KSG representa um grupo de mais de 200 ex-ativistas do antiapartheid na província rural de Limpopo. Segundo Jobson, a maioria das vítimas nunca teve oportunidade de testemunhar perante os integrantes da comissão. "Quando a comissão foi à província, somente cinco vítimas tinham dinheiro suficiente para pagar a viagem para serem ouvidas."

Organizações como a KSG vêm exigindo há anos que as listas de vítimas que fazem novos pedidos de indenização devam ser reabertas, já que somente uma pequena parte dos requerentes teve a chance de se inscrever a tempo na Comissão. Mas mesmo os inscritos receberam somente uma pequena parte do montante prometido inicialmente.

Impunidade mesmo sem anistia

Há anos os representantes do governo não dão ouvidos a essas demandas. "Ninguém vai dizer isso oficialmente, mas a política do governo é deixar a história para trás o máximo possível", disse Pigou. Segundo o diretor da ONG Grupo de Crise, também se evita em grande parte a análise jurídica e histórica dos crimes.

Nelson und Winnie Mandela

Nelson und Winnie Mandela: guarda-costas da esposa do herói sul-africano foram acusados de vários crimes

Embora a Comissão da Verdade e Reconciliação tenha garantido anistia somente a uma minoria, a Justiça investiga apenas alguns dos autores apontados, de forma que a grande maioria dos agressores – de ambos os lados – permanece até hoje impune. Como, por exemplo, a ex-esposa de Nelson Mandela, Winnie Madikizela-Mandela. A Comissão apontou que membros da equipe de futebol Mandela United Football Club, que trabalhavam para ela como guarda-costas, praticaram crimes como tortura, assassinato e incêndios criminosos.

Pigou pesquisa e compara há vários anos processos de transição política em vários países. Ele explica que não haveria interesse público e, com ele, maior pressão sobre o governo sul-africano para se fazer um resgate crítico e abrangente do passado. No longo prazo, no entanto, a história não pode ser ignorada, acrescenta. "Após conflitos ou ditaduras, há frequentemente nas sociedades um chamado lapso de memória de 10 , 20 ou mais anos. Mas, em algum momento, vem o desejo de lidar com o passado de forma crítica."

Apesar de todas as deficiências, Pigou disse acreditar que as comissões da verdade podem prestar uma importante contribuição para o resgate crítico do passado em outros países. "No entanto, elas devem aprender tanto com o que se fez de errado, quanto com o que foi feito corretamente."

Leia mais