Aos 50 anos, cartunista alemão Ralf König quer se livrar de rótulo gay | Cultura europeia, dos clássicos da arte a novas tendências | DW | 08.08.2010
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Cultura

Aos 50 anos, cartunista alemão Ralf König quer se livrar de rótulo gay

O artista alemão Ralf König gostaria de não ser conhecido como cartunista gay, mas se sente perseguido pelo rótulo. O vasto trabalho do autor de quadrinhos como "O homem ideal" ganhou uma exposição em Berlim.

default

Ralf König

Histórias em quadrinhos como A camisinha assassina, O homem ideal ou E, agora os noivos podem se beijar não são lidas somente por homossexuais. Mas o autor, Ralf König, que completa 50 anos neste domingo (08/08), é um dos mais conhecidos cartunistas alemães e teve grande influência no movimento cultural gay das últimas décadas.

Em entrevistas recentes, todavia, König afirmou sentir-se algumas vezes preso na armadilha do "gueto homossexual". Após ter "mostrado literalmente quase todos os tipos de gays em cerca de 30 HQs", o cartunista disse ser difícil acrescentar algo de novo. Mas como livrar-se de um rótulo que está bastante ligado ao movimento homossexual alemão que descobriu, nos anos 1980 e 1990, uma autoestima nova e hedonista?

Rapidamente, König tornou-se um autor cult na cena gay, já que seus heróis não faziam o menor esforço para esconder seus desejos homossexuais, vivenciando-os de forma sensual – o que é mostrado enérgica e picantemente nas tirinhas.

Ralf König wird 50

HQ 'Jogos de poses': gays medem suas forças

Subcultura homossexual

König cresceu em uma família bastante católica na pequena cidade de Soest, no estado da Renânia do Norte-Vestfália. Ele ainda vivenciou a época em que na Alemanha ser chamado de "gay" era uma ofensa. "Naquela época, havia apenas um tipo de literatura que dava conselhos psicológicos e pouco interessante sobre o tema, mas nada que mostrasse que ser gay também podia ser divertido", declarou o cartunista numa entrevista em 1994. "E, com meus quadrinhos, eu me deparei inconscientemente com algo novo e me tornei então uma dica secreta."

Após ter estudado na renomada Academia de Belas Artes de Düsseldorf, König descobriu em meados dos anos 1980 que a provocação através do humor era a receita para o sucesso. Nenhum outro cartunista alemão mostrou o cotidiano gay de forma tão atrevida e frívola em seus quadrinhos.

Com HQs como Testículos de touro, Garotos de praia e A camisinha assassina, König permitiu que os leitores espreitassem o quarto de dormir da subcultura homossexual, sem se aproximar do voyeurismo pornográfico.

Isso se deve, entre outros, ao célebre "nariz de batata" que confere a todos os seus personagens, o que lhes atribui uma inocência levada, infantil e anárquica. Devido ao narigão, perde-se o medo até mesmo dos mais severos gays vestidos de couro.

Ralf König wird 50

Adão no HQ 'Protótipo'

Contra o fundamentalismo religioso

Após as batalhas da emancipação homossexual terem sido decididas – e a política alemã não ter somente um prefeito de Berlim homossexual, mas também um ministro do Exterior gay – o cartunista constatou ameaças à liberdade homossexual no ressurgimento do fundamentalismo religioso. Em 2005, em meio à discussão em torno das caricaturas, ele lançou os quadrinhos Dschinn Dschinn, em que critica o islamismo conservador.

Em Protótipo (2007) e Arquétipo (2009), König iniciou uma trilogia sobre a Bíblia. Com escárnio, os quadrinhos criticam o Deus do antigo testamento como impaciente e egocêntrico, satirizam Adão como um mentecapto e Noé como um estraga-prazeres que pediu, ele próprio, que viesse o dilúvio. O terceiro capítulo da trilogia, que será lançado em setembro próximo, tratará do apóstolo Paulo.

Exposição em Berlim

Agora, os heróis do cartunista são frequentemente heterossexuais e os problemas se tornaram mais filosóficos. König declarou recentemente que pretende se distanciar do nicho dos quadrinhos homossexuais e tratar de outros temas que também o afetam.

E quem estiver na capital alemã e quiser saber mais sobre a obra de Ralf König poderá visitar no Museu Gay de Berlim, até 4 de outubro próximo, a exposição comemorativa dos 50 anos do cartunista: Eu me pareço com uma caricatura.

Autor: Gisa Funck / Carlos Albuquerque
Revisão: Nádia Pontes

Leia mais