Anulada absolvição de policial por morte de africano em cela do Leste alemão | Notícias sobre política, economia e sociedade da Alemanha | DW | 07.01.2010
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Alemanha

Anulada absolvição de policial por morte de africano em cela do Leste alemão

Cinco anos após a morte de um imigrante de Serra Leoa no Leste alemão, Corte Federal de Justiça revoga sentença de tribunal regional que absolveu policial, sob a alegação de que há "numerosas lacunas" a esclarecer.

default

Perito reconstitui a morte na cela

A Corte Federal de Justiça alemã (BGH) revogou nesta quinta-feira (07/01) a sentença absolvendo um policial de culpa na morte de Oury Jalloh, imigrante de Serra Leoa, que morreu queimado na cela de uma delegacia de Dessau há cinco anos.

O veredicto proferido em Karlsruhe anula a sentença do Tribunal Regional de Dessau, pronunciada em dezembro de 2008. Este havia concluído que os dois policiais acusados de lesão corporal seguida de morte, não tiveram possibilidade de salvar a vida de Jalloh quando o colchão de sua cama na cela começou a queimar.

Alarme de incêndio foi desligado

A sentença havia provocado fortes protestos de familiares e amigos de Jalloh e de representantes de organizações humanitárias, que sempre duvidaram da versão policial. O Ministério Público e os familiares da vítima apelaram da sentença relativa a um dos policiais.

O pedido foi aceito pelos juízes do BGH, que ordenaram novo julgamento, considerando que o processo apresentava "numerosas lacunas". Em uma audiência há três semanas, os magistrados da Corte Federal já haviam apontado várias questões sobre a propagação do fogo na cela e sobre o tempo que o Tribunal Regional de Dessau admitiu ser necessário para que os policiais socorressem a vítima.

Prozess um Tod von Asylbewerber in Dessau

Manifestações em dezembro de 2008 durante o julgamento dos policiais em Dessau

A promotoria acusa a polícia de não ter reagido aos sinais do alarme de incêndio. O policial de serviço alegou ter desligado o sinal, por achar que estivesse defeituoso.

Além disso, o BGH colocou em dúvida que Jalloh, que estava com pés e mãos atados, não tenha gritado por socorro. Então com 23 anos, ele fora detido em Dessau sob a acusação de, em estado de embriaguês, ter molestado mulheres.

O imigrante africano morreu em 7 de janeiro de 2005, depois que o colchão da cela em que estava ter pegado fogo. Segundo os policiais, ele próprio ateou o fogo com um isqueiro não detectado durante a revista. O caso agora será julgado pelo Tribunal Regional de Magdeburg.

RW/lusa/epd
Revisão: Augusto Valente

Leia mais