1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Anistia: Irã executa três pessoas por dia

Organização de direitos humanos relata aumento "espantoso" de execuções sentenciadas pelo Estado iraniano no primeiro semestre de 2015. De janeiro até metade de julho, o governo teria matado 694 pessoas. Teerã contesta.

O Estado iraniano matou "espantosas 694 pessoas" entre 1º de janeiro e 15 de julho deste ano, afirmou um relatório publicado nesta quinta-feira (23/07) pela organização de direitos humanos Anistia Internacional (AI) – uma média de três execuções por dia.

"A taxa escalonada de execuções do Irã para o primeiro semestre deste ano mostra um quadro sinistro da máquina do Estado em realizar assassinatos premeditados e judicialmente sancionados em larga escala", disse o vice-diretor do programa da AI para o Oriente Médio e Norte da África, Said Boumedouha, em comunicado publicado na página da organização.

Boumedouha advertiu que Teerã está caminhando para um montante de mais de mil execuções em 2015, denunciando o sistema judicial "profundamente falho" do país e a natureza "arbitrária" com que as sentenças de morte foram proferidas. O relatório também afirma que o Irã está retendo informações sobre a forma como muitos criminosos condenados foram executados.

Oficialmente, o governo iraniano reconheceu 246 execuções entre 1º de janeiro e 15 de julho. Em 2014, Teerã afirmou ter executado 289 pessoas – a Anistia Internacional garante confirmar 743 execuções.

O aumento das penas de morte, segundo a Anistia, ocorreu devido a um aumento nas condenações por tráfico de drogas. "Durante anos, as autoridades iranianas têm usado a pena de morte para espalhar um clima de medo numa tentativa equivocada de combater o narcotráfico. Ainda não um fragmento de evidência que mostre que este é um método eficaz de combater a criminalidade", disse Boumedouha.

De acordo com uma investigação em curso realizada pela Anistia Internacional, várias milhares de pessoas estão no corredor da morte no Irã, sendo que até 80% destes por acusações de tráfico de drogas.

PV/dpa/anistia

Leia mais