1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Anistia Internacional defende descriminalização da prostituição

ONG apoia "descriminalização total de todos os aspectos do trabalho sexual consensual", o que inclui clientes, cafetões e operadores de bordéis. Decisão é duramente criticada por grupos de defesa dos direitos da mulher.

A Anistia Internacional (AI) votou nesta terça-feira (11/08) a favor da adoção de uma controversa política de defesa da descriminalização da prostituição, tanto para quem vende sexo como para quem compra.

A organização de direitos humanos pretende agora fazer lobby junto a governos mundo afora para que aceitem seu ponto de vista e deixem de punir milhões de profissionais do sexo.

A medida foi aprovada pela maioria dos 400 delegados de 70 países que participavam de um encontro em Dublin. A proporção de votos não foi divulgada.

O secretário-geral da entidade, Salil Shetty, chamou esta terça-feira de dia histórico. "Profissionais do sexo são um dos grupos mais marginalizados do mundo, o qual enfrenta risco constante de discriminação, violência e abuso", disse Shetty após a votação.

Segundo a AI, dois anos de pesquisas mostraram que a descriminalização é a melhor maneira de defender os direitos humanos desses profissionais.

A política prevê a "descriminalização de todos os aspectos do trabalho sexual consensual". Ou seja, além dos profissionais do sexo, a AI também defende a descriminalização da atividade de outros envolvidos na prostituição, incluindo cafetões e operadores de bordel.

Críticas e perda de credibilidade

Antes da votação, a Coalizão Contra o Tráfico de Mulheres (CATW, na sigla em inglês) divulgou uma carta aberta dizendo que o nome da AI seria "gravemente manchado" se a política fosse aprovada. O documento foi assinado por grupos de defesa dos direitos das mulheres, médicos e famosas, incluindo as atrizes Meryl Streep, Kate Winslet e Emma Tompson.

"Não há lógica por trás da premissa de que, para proteger aqueles que são explorados, deve-se descriminalizar o explorador. Não faz sentido", disse a diretora-executiva da CATW, Taina Bien-Aimé. "É muito importante que a Anistia entenda que perderá uma grande quantidade de credibilidade se isso for apoiado." Mais de 8,5 mil pessoas assinaram uma petição online da CATW contra a medida.

Outros críticos da política ressaltam que ela não considera as muitas razões que levam as pessoas à prostituição, incluindo pobreza, violência e coerção. "A demanda por sexo comercial é o que abastece o tráfico", diz Esohe Aghatise, gerente antitráfico do grupo de defesa dos direitos das mulheres Equality Now.

A AI argumenta que a política aprovada foi esboçada após discussões com grupos de profissionais do sexo, ativistas da luta contra a aids, grupos representando ex-prostitutas e agências antitráfico, entre outros.

Quanto ao tráfico humano, a organização disse que a prática é "repugnante em todas as suas formas, incluindo a exploração sexual, e deve ser criminalizada como uma questão de direito internacional".

Na Europa, prostituição forçada é proibida em todo o continente, mas a legislação sobre a venda de sexo difere entre os países. A prostituição consentida é legal e regulamentada na Alemanha, Áustria, Holanda, Suíça e em outros países.

Outros países adotam o chamado modelo nórdico, que pune quem compra, mas não quem vende. Essa regra vale na Suécia, na Noruega e na Islândia.

"Estou emocionada. Essa é a melhor maneira de tirar o sexo profissional da idade das trevas e nos dar os direitos e a proteção que merecemos", disse a irlandesa Laura Lee, profissional do sexo e ativista, após a decisão da AI.

LPF/afp/ap/rtr

Leia mais