1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Anistia denuncia abuso de refugiados nos Bálcãs

Relatório diz que polícia maltrata migrantes em fuga de regiões em crise e que atravessam a Sérvia e a Macedônia com destino à União Europeia. Muitos são vítimas de violência física e extorsão.

A polícia de países dos Bálcãs trata de maneira abusiva milhares de refugiados, requerentes de asilo e migrantes que atravessam a região para chegar à União Europeia (UE), disse a Anistia Internacional (AI) em relatório divulgado nesta terça-feira (07/07).

Migrantes em fuga de conflitos na Síria, no Afeganistão e em outras zonas de crise são vítimas de agressão e extorsão durante a viagem através da Macedônia e da Sérvia rumo à Hungria, após cruzarem o mar da Turquia à Grécia, afirma a organização de direitos humanos.

"Refugiados que tentam escapar da guerra e da perseguição fazem essa jornada através dos Bálcãs na esperança de encontrar segurança na Europa e, então, são vítimas de abuso e exploração e ficam à mercê de falhos sistemas de asilo", diz Gauri van Gulik, vice-diretor da Anistia Internacional para Europa e Ásia Central.

Países europeus vêm lidando com um número crescente de pessoas que cruzam o Mediterrâneo em barcos frágeis e atravessam os Bálcãs para fugir da violência e das dificuldades no Oriente Médio e no Norte da África. Quase 2 mil morreram somente neste ano ao tentarem chegar à Grécia de barco.

A rota pelos Bálcãs Ocidentais tornou-se a mais movimentada passagem irregular para a Europa, superando a rota do Mediterrâneo, que continua sendo a mais mortal, diz o relatório.

O número de pessoas detidas ao atravessarem a fronteira entre a Sérvia e a Hungria subiu mais de 2.500% desde 2010, disse a AI, para mais de 60 mil. Autoridades nas fronteiras da Macedônia e da Sérvia impedem a passagem dos migrantes e os agridem, e muitos são forçados a pagar suborno, diz o relatório da entidade.

No Centro de Recepção para Estrangeiros da Macedônia, centenas, incluindo mulheres grávidas e crianças, são detidos com acesso limitado a saneamento e saúde e sem oportunidade de requerer asilo, denuncia a AI. Ex-detentos relataram que a policia os agrediu, forçou pessoas a dormirem em escadas sem cobertor e que eles não tinham água quente ou comida.

A AI entrevistou mais de cem refugiados e migrantes entre julho de 2014 e março de 2015, na Sérvia, na Hungria e na Macedônia.

LPF/rtr/afp

Leia mais