1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Futebol

Anistia cobra atitude da Fifa sobre Copa no Qatar

Entidade volta a denunciar que operários estrangeiros continuam trabalhando sob condições desumanas nas obras do Mundial. Organização acusa Fifa de ser corresponsável por irregularidades.

Obras para a Copa de 2022 no estádio Khalifa, no Qatar

Obras para a Copa de 2022 no estádio Khalifa: local foi visitado para relatório da AI

A entidade de defesa dos direitos humanos Anistia Internacional (AI) voltou a exigir nesta quinta-feira (31/03) que a Fifa interceda para possibilitar melhoria das condições de trabalho nas obras para a Copa do Mundo de 2022, no Qatar.

"A Fifa deve aumentar a pressão sobre o governo do Catar imediatamente", disse a especialista em Qatar da seção da organização na Alemanha, Regina Spöttl. "Desde a escolha do Qatar para sediar a Copa, em 2010, a Fifa não tem feito o suficiente contra as condições desumanas nos canteiros de obras da Copa. Se a Fifa não agir agora, será corresponsável por uma Copa do Mundo em 2022 realizada às custas da exploração de dezenas de milhares de trabalhadores migrantes."

A AI entrevistou mais de 200 trabalhadores estrangeiros sobre as condições de trabalho nas obras do estádio Khalifa e do centro esportivo em Doha, para produzir seu novo relatório abordando a situação no Qatar, apresentado nesta quinta-feira em Berlim.

Segundo a ONG, os operários estrangeiros são expostos a uma série de violações dos direitos humanos nesses canteiros de obras. "Pode-se, em alguns casos, falar em trabalho forçado", afirma a entidade, observando que os trabalhadores têm que entregar seus passaportes quando entram no país, sendo impedidos de deixar o Qatar antes do fim do contrato de trabalho.

A AI denuncia também que muitos operários só recebem seus salários com meses de atraso e, muitas vezes, menos do que o acertado. A organização estima que o número de trabalhadores migrantes vai aumentar em dez vezes nos canteiros de obras da Copa do Mundo nos próximos dois anos, para cerca de 36 mil pessoas. Segundo a AI, 90% dos trabalhadores vêm de países do sul da Ásia como Bangladesh, Índia e Nepal.

Recentemente, o Qatar tinha anunciado que implementaria até o final de 2015 as reformas trabalhistas pedidas internacionalmente, a fim de melhorar as condições dos trabalhadores.

Em comunicado, a Fifa anunciou estar ciente dos riscos a que os operários no Qatar são submetidos, mas se disse confiante de que as medidas anunciadas pelos organizadores da Copa do Mundo no país ofereçam uma "boa base para a verificação dos direitos dos trabalhadores".

MD/dpa/sid

Leia mais