1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Ameaças ao Irã preocupam mas não surpreendem europeus

União Européia continua apostando na diplomacia para superar o conflito com Teerã. Mas no cerne há concordância com os EUA quanto à meta de evitar que o Irã produza armas atômicas.

default

Programa nuclear iraniano preocupa igualmente americanos e europeus

Ao deixar claro que não descarta um ataque militar ao Irã, o presidente dos Estados Unidos, George W. Bush, assume, como já foi no caso do Iraque, uma posição contrária à dos países da União Européia. Ainda na semana passada, os europeus deram início em Bruxelas a negociações com representantes do governo iraniano sobre um acordo comercial – um sonho antigo de Teerã. Por assim dizer, uma pequena recompensa pelo fato de o Irã ter contemporizado, em novembro passado, prometendo suspender temporariamente seu programa de enriquecimento de urânio, após encontros com representantes da Alemanha, França e Grã-Bretanha.

O fato de o presidente norte-americano estar de novo dando demonstração de forças faz certamente soar todos os alarmes do lado de cá do Atlântico. Até mesmo Jack Straw, ministro do Exterior da Grã-Bretanha – o mais fiel aliado dos Estados Unidos na campanha militar no Iraque –, voltou a insistir na importância da diplomacia. Em entrevista ao Financial Times, ele defendeu a forma como os europeus estão tratando o problema. Mesmo sabendo que há muito trabalho pela frente, ele acredita que "essa estratégia é melhor do que a alternativa militar".

Desta vez a meta é a mesma

O que torna a situação diferente agora é o fato de EUA e Europa terem a mesma meta. O Irã é um parceiro difícil, e os europeus levam muito a sério o perigo de armas atômicas irem parar em mãos erradas. Por outro lado, não é nenhuma surpresa para os ministros europeus que os Estados Unidos seriam capazes de levar a cabo planos de um ataque militar. O próprio ministro alemão do Exterior, Joschka Fischer, não se cansou de alertar que Teerã talvez não estivesse levando a ameaça a sério.

O policial bonzinho e o policial mau

Sob este aspecto, talvez seja até bem-vindo que Bush levante agora, afirma Bernhard May, da Sociedade Alemã de Política Exterior. "Os EUA estão desempenhando um pouco o papel do bad cop, que fica ameaçando com a arma", diz ele, aludindo ao recurso conhecido de filmes policiais, em que um suspeito se vê confrontado com um investigador agressivo e outro simpático, para ser levado a confessar. "Não é tão ruim assim essa estratégia dupla. Os europeus não estão vendo com maus olhos o novo desenvolvimento, mesmo que não possam admitir isso publicamente."

Esta avaliação é compartilhada também por Karsten Voigt, coordenador das relações teuto-americanas no Ministério alemão do Exterior, em entrevista à DW-TV. "Se os iranianos souberem que os americanos vão aumentar a pressão também com meios não pacíficos – se a solução pacífica não funcionar –, talvez isso possa aumentar sua disposição de fazer concessões e de desistirem de suas armas atômicas, se as estiverem planejando."

O que não significa que Voigt dê preferência à solução militar. Pelo contrário, "se os americanos apoiarem os europeus e aderirem às negociações diplomáticas, numa fase posterior, então a probabilidade de sucesso se torna maior."

Leia mais