1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

América Latina

América Latina pode ser fonte de renovação para Igreja Católica

Visita do papa ao Brasil reforça esperança de reconhecimento a pregadores leigos, considerados fundamentais para reavivar uma Igreja que tem base na Europa, mas que há tempos já dá seus próprios passos no Novo Mundo.

Surreal, mas próximo à realidade da vida: a Igreja Católica sabe lidar com paradoxos na América Latina. Em vez de debater sobre o sacerdócio feminino ou sobre o celibato, pregadores leigos criam fatos em suas comunidades, assim como novas formas de culto. E, durante a Jornada da Juventude no Rio de Janeiro, a esperança é grande de que, com o papa Francisco, o poder dos laicos venha a crescer – e de que a Igreja vá se transformar.

Dom Erwin Kräutler, bispo da diocese do Xingu, tem o cuidado de não mencionar nem o sacerdócio para mulheres nem o celibato. O austríaco, que vive há 40 anos no Amazonas, vê a questão do ponto de vista puramente pragmático.

"Tenho 28 padres para 700 mil pessoas, numa área equivalente à da Alemanha. Como podemos proporcionar às pessoas no meio da selva, ou onde quer que estejam, a possibilidade de celebrar a eucaristia?", questiona.

Religião em primeira mão

Muitos leigos já responderam para si a essa pergunta ao celebrarem seus ritos religiosos sem apoio clerical. Eles oram, partem o pão, distribuem o vinho, sem cuidar dos preceitos eclesiásticos segundo os quais o sacramento da eucaristia só pode ser ministrado por padres ordenados.

Papst Franziskus Besuch in Brasilien

Francisco desfilou em carro aberto no Rio de Janeiro

"Os sacerdotes leigos assumem responsabilidade, e a Igreja avança – mesmo sem pastores e padres – e a coisa funciona bem", diz a irmã Lucilene Antonio, que atende a pequenas comunidades no Amazonas. "Já vi mulheres que rezam a missa e depois distribuem o pão."

A valorização dos padres laicos originou-se no espírito do Concílio Vaticano 2º, realizado entre 1962 e 1965, durante o pontificado de João 23. O encontro promoveu a renovação e a atualização dos princípios dogmáticos da Cúria Romana, o órgão administrativo da Santa Sé.

Entre seus participantes estiveram dois futuros papas: o polonês Karol Józef Wojtyła (João Paulo 2º) e o alemão Joseph Ratzinger (Bento 16), que , na época, defendeu "uma Igreja menos clerical".

"O papa Francisco sabe que a participação dos leigos é absolutamente necessária", explica Luiz Paulo Horta, especialista em assuntos do Vaticano e membro da Comissão Cultural da Arquidiocese do Rio de Janeiro. "Ele quer que a Igreja seja reavivada a partir da base."

 

Leonardo Boff Befreiungstheologe Brasilien

Leonardo Boff, teólogo da libertação

Segundo Horta, o que parece óbvio para um observador de fora significa uma revolução no contexto do catolicismo. "A Igreja somos todos nós – se não reconhecermos isso, nada acontecerá. Eu acredito que Francisco convocou a base à rebelião", afirma.

E rebelião e revolução são conceitos bem familiares à Igreja Católica na América Latina – pelo menos no campo teológico. Já nas décadas de 1960 e 1970, teólogos da libertação latino-americanos como Gustavo Gutiérrez e Óscar Romero inspiravam clérigos e fiéis de todo o mundo.

Entre eles, conta o atual prefeito da Congregação para a Doutrina da Fé do Vaticano, Gerhard Ludwig Müller. Em 2004, o antigo bispo da cidade bávara de Regensburg publicou, junto com Gutiérrez, o livro An der Seite der Armen: Theologie der Befreiung (Do lado dos pobres: Teologia da libertação).

Impulsos reformistas

Ao que tudo indica, o papa Francisco aposta na força de renovação teológica da América Latina e no reconhecimento das figuras que o inspiraram. Após o missa de despedida, ele se encontra na tarde de domingo com o Comitê de Coordenação do Conselho Episcopal Latino-Americano (Celam).

San Salvador Gedenken an Oscar Arnulfo Romero

Dom Óscar Romero é celebrado como santo em El Salvador

Nas últimas décadas, essa comissão tem iniciado importantes reformas na Igreja. Deverá ser retomado o processo pela beatificação do arcebispo de El Salvador Óscar Romero. Assassinado em 1980, o clérigo é até hoje cultuado como santo em toda a América Latina, por seu empenho pela paz e os direitos humanos durante a guerra civil em seu país.

O teólogo brasileiro Leonardo Boff está convencido de que, futuramente, partirão da América Latina impulsos reformistas que vão revolucionar a Igreja Católica. "Nossa Igreja não espelha mais a Igreja-mãe europeia, ela tem suas próprias fontes, suas próprias tradições, heróis, mártires, profetas e personalidades – como o célebre ex-bispo de Recife dom Hélder Câmara ou o santo do povo Óscar Romero. Essas Igrejas insuflam nova vida ao cristianismo."

Leia mais