″América Latina não precisa de porta-vozes estrangeiros″, diz historiador | Notícias sobre a América Latina e as relações bilaterais | DW | 22.05.2010
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

América Latina

"América Latina não precisa de porta-vozes estrangeiros", diz historiador

Historiador colombiano defende união dos países latinos para que "joguem como um time" e não se deixem representar pela Espanha na Europa. "Único país na América Latina com capacidade de ser porta-voz é o Brasil", diz.

Cristina Kirchner e Lula durante encontro em Buenos Aires em 2009

Cristina Kirchner e Lula durante encontro em Buenos Aires em 2009

Nem toda a América está comemorando o bicentenário de sua independência da Espanha. É o que acredita Medófilo Forero, historiador das universidades Nacional da Colômbia e de Lomonosov, na Rússia.

"Os indígenas da América não comemoram, eles reclamam há duas décadas insistentemente seus direitos. Eles exigem o respeito a suas identidades culturais porque têm uma experiência negativa na vida republicana posterior à independência", defende o historiador.

Outros, por seu lado, "celebram de forma exaltada, dizendo que se conquistou a liberdade e começou uma nova era", diz Forero. Segundo ele, trata-se dos descendentes dos crioulos, das elites econômicas e políticas. "Por outro lado, entre os mestiços reina notável indiferença. E entre os jovens há certa curiosidade, mas sem entusiasmo", acrescenta.

Forero acredita na importância de marcos históricos para um país. Apesar das diferentes percepções dos latino-americanos, ele vê o bicentenário como uma boa ocasião para se fazer balanços, examinar promessas e planejar o futuro. "Para não cair numa postura niilista sobre a independência do colonialismo espanhol, o melhor a ser feito é incentivar todos a recuperarem a memória dos papéis que desempenharam durante aquele processo, tornando explícitos tanto seus desencantos quanto suas expectativas para o futuro", sugere o historiador.

Um mapa que precisava de vida

A América Hispânica, ou América Latina, como se chamaria desde finais do século 19, se projetou como sujeito histórico, como referência geopolítica; como uma zona do mundo que já não fazia parte de um império, mas com perfil próprio. Este foi desenhado pelo cartógrafo alemão Martin Waldseemüller (1475 – 1521) em sua Cosmographiae universalis introductio (1507). Ele chamou a "nova terra" de América, em homenagem a Américo Vespúcio, considerado pelo alemão o "verdadeiro descobridor" do continente.

A independência foi o processo durante o qual se manifestou pela primeira vez, um sentimento latino-americano que incorporou elementos da hegemonia cultural, do pensamento liberal no mundo da época e do Iluminismo. Ao menos nos países andinos, esse pensamento foi contextualizado e reformulado por Santander e por Simón Bolívar.

A Espanha busca mercados; a América Latina, democracia

No século 19, a derrota do colonialismo espanhol em solo americano gerou uma crise que levou à reorganização da sociedade, conta Medófilo Forero: "A busca da revitalização da economia deu origem a novas dependências – não mais políticas, e sim econômicas".

O século 20 terminou com um panorama diversificado na América Latina. Enquanto na década de 1990 apenas Cuba vivia sob um regime socialista, hoje há regimes de esquerda e alternativos como os da Venezuela, Equador, Bolívia, Nicarágua, Uruguai e inclusive o Brasil. Outros sistemas optaram por uma economia neoliberal, como Colômbia, México e Peru.

Afinal, quão dependente da Espanha é a América Latina atualmente? "Hoje, a América Latina é mais independente do que dependente da Espanha", responde o historiador Forero, que também é professor visitante em universidades do Equador, Venezuela e Espanha, além de ser colunista da revista colombiana de análises políticas Razón Pública. "Apesar de já ter recebido ajuda da União Europeia e ter alcançado certos níveis de desenvolvimento, a Espanha não pode ser referência para a construção de um sistema de dependências", avalia Forero.

Pouca força da Espanha na UE

Forero lembra que na Espanha há quem cultive o sonho de se formar uma zona natural de inversão e interesses econômicos na América Hispânica. Tal ideia foi insistentemente defendida no final do século 19 por uma organização chamada União Ibero-americana durante os preparativos para a comemoração dos quatro séculos do descobrimento da América.

"A Espanha acredita ter a função de porta-voz da América Latina diante da União Europeia", comenta Forero, "mas a América Latina não se beneficiou dessa pretensão porque a Espanha não tem força suficiente dentro da União Europeia para cumprir tal mediação".

Passado e futuro

Para o historiador, algo marcante aconteceu durante um encontro sobre o bicentenário da independência realizado em Quito, no Equador, em 2008: "A delegação espanhola apresentou um vídeo com a típica narrativa das remessas de ouro e prata em direção à Espanha e chegando até os problemas da dívida externa da América Latina na década de 1980. Após a projeção, um historiador mexicano se levantou e disse que a comemoração do bicentenário não é ocasião para se olhar para o passado, mas sim para o futuro".

Ao que Forero teria retrucado: "Já que se trata de olharmos para o futuro e a Espanha acredita ser o porta-voz natural da América Latina, a mesma comissão espanhola do bicentenário deveria começar a propor de maneira concreta a todos os países da União Europeia uma melhoria no tratamento da imigração latino-americana. Isso poderia começar com um acordo entre a Espanha e o resto da Europa". A resposta da delegação espanhola teria sido: "Ora, isto não é da nossa incumbência!"

A América Latina precisa de intermediários?

Além da falta de vontade de interceder pela América Latina no Parlamento Europeu e diante dos governos dos 27 países da União, a Espanha carece de instrumentos para exercer de fato a função de intermediação a favor da América Latina. Mas o subcontinente precisa mesmo de intermediários após 200 anos de sua independência?

Em novembro de 2009, Forero ministrou um seminário sobre o colapso do Império Espanhol e as formas de colonialismo no mundo. Durante o encontro, realizado em Bogotá, na Colômbia, o historiador defendeu: "Neste bicentenário, devemos recordar que as guerras de emancipação foram um processo continental. Os países latino-americanos não se libertaram sozinhos porque não existiam como tais, e sim como reinos dentro do império. Foi graças à associação multirregional formada por povos que se chegou à independência".

Forero diz que "o ideal é que cada país assuma o seu próprio papel de lutar por seus próprios direitos e interesses, mas o único país na América Latina com capacidade de ser porta-voz é o Brasil, que pertence ao BRIC", referindo-se ao grupo de países emergentes Brasil, Rússia, Índia e China. Para o historiador, é países como o Brasil não estão esperando por Lisboa ou Madri para terem acesso ao mundo.

É preciso constituir acordos de integração para que a América Latina "jogue na arena planetária como um time só", propõe Medófilo Forero. "Libertar-se não é se entregar a um esquema autárquico, mas buscar relações igualitárias baseadas na cooperação e na complementaridade, em vez de fomentar jogos hegemônicos", conclui.

Autor: José Ospina-Valencia (eh)

Revisão: Roselaine Wandscheer