1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

América Latina espera um Papa mais próximo da realidade local

Bento 16 não conquistou os corações dos latino-americanos na mesma medida que o antecessor, João Paulo 2º. Do próximo Papa, eles esperam sobretudo mais proximidade com o maior continente católico do mundo.

Quase metade do total de 1,1 bilhão de católicos do mundo vive na América Latina. Em nenhum outro continente a parcela de católicos entre a população é tão alta, chegando a cerca de 80%. Enquanto João Paulo 2º é até hoje adorado como um santo, do México até o Chile, seu sucessor Bento 16 permaneceu distante, dono de uma personalidade mais fria, europeia e dogmática.

O Sumo Pontífice visitou a América Latina duas vezes. A primeira viagem foi ao Brasil, o maior país católico do mundo. A Igreja Católica perde influência entre os brasileiros, que abandonam cada vez mais o catolicismo em favor das igrejas evangélicas. A resposta de Bento 16 à concorrência religiosa foi um apelo aos padres brasileiros para que disseminem a crença e a esperança com uma dedicação "verdadeiramente missionária".

Hoje, "apenas" 75% dos brasileiros se dizem católicos. Há 20 anos, eram 90%. As posturas dogmáticas e rígidas de Roma sobre a sexualidade, o controle de natalidade e o aborto têm pouco a ver com a realidade dos brasileiros.

No México, maior país católico de língua espanhola do mundo, onde a Igreja é mais respeitada que qualquer outra instituição, Bento 16 esteve somente em 2012, ou seja, no sétimo e penúltimo ano de seu pontificado.

A visita foi, contudo, ofuscada pelas discussões sobre os escândalos de abuso sexual dentro da Igreja Católica. O Papa não quis se encontrar com as vítimas. Elas o acusam de ter evitado o esclarecimento de muitos casos ainda nos tempos em que era o cardeal Joseph Ratzinger, prefeito da Congregação para a Doutrina da Fé.

Konklave Kardinäle in St. Peter

Apesar de serem a maioria dos católicos, latino-americanos tem poucos representantes no conclave

Quando ainda era cardeal e exercia essa função, Ratzinger contribuiu decisivamente, desde os anos 1970, para calar os defensores da Teologia da Libertação – algo que a América Latina não esqueceu até hoje. No Conselho Episcopal Latino-Americano foram colocados teólogos em parte próximos à ultraconservadora organização Opus Dei. A "opção pelos pobres" foi declarada oficialmente como uma inversão de cunho marxista da fé e centenas de teólogos foram proibidos de pregar e ensinar.

Dos 115 cardeais que vão escolher o novo Papa, 19 são latino-americanos. É, contudo, pouco provável que um deles venha a herdar o posto de Bento 16, mesmo que o arcebispo de São Paulo, cardeal Odilo Pedro Scherer, seja considerado favorito, ao menos na América Latina.

Scherer pertence à ala conservadora da Igreja e tem bons contatos no Vaticano. Em julho próximo, acontece no Brasil a Jornada Mundial da Juventude; em 2014, a Copa do Mundo; e em 2016 as Olimpíadas no Rio de Janeiro. Um Papa brasileiro seria visto como mais uma conquista para o país, embora os católicos em toda a América Latina anseiem sobretudo por um pontífice que se mantenha próximo à realidade de suas vidas cotidianas.

Autora: Mirjam Gehrke (sv)
Revisão: Alexandre Schossler

Leia mais