″América Latina deixou de ser fundo de quintal dos EUA″, afirma especialista | Notícias sobre a América Latina e as relações bilaterais | DW | 16.04.2009
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

América Latina

"América Latina deixou de ser fundo de quintal dos EUA", afirma especialista

A região estabilizou suas moedas e índices inflacionários, crescem a demanda interna e a exportação. Apesar da crise e de desafios sociais em aberto, perspectivas latino-americanas são otimistas, com o Brasil à frente.

default

Especialista salienta importância da América Latina como fornecedora de matérias-primas

Enquanto a China e a Índia avançavam na economia, a América Latina permaneceu longo tempo à sombra. Porém na última década a região fez grandes progressos. A cotação das moedas nacionais e a inflação se estabilizaram, em grande parte; as taxas de juros retrocederam; a demanda interna e a exportação cresceram.

É verdade que nem todas as expectativas foram preenchidas – as desigualdades sociais e a pobreza permanecem uma tarefa em aberto. Porém a democratização e a boa governança na maioria dos países latino-americanos dão esperança de que o curso ascendente seja retomado após a atual crise econômica global.

Participação modesta

Segundo o professor Federico Foders, integrante do diretório do Instituto de Economia Mundial da Universidade de Kiel, o peso econômico da América Latina no mundo reside sobretudo em seu potencial como fornecedor de matérias-primas e agroprodutos, função que tem preenchido nos últimos 200 anos.

Tal papel, no entanto, reduz as possibilidades da região de garantir uma participação no comércio mundial e de se beneficiar de forma duradoura da globalização.

"Se considerarmos a soma dos produtos internos brutos latino-americanos, seu peso quantitativo na economia mundial fica abaixo de 1%, o que não é muito. No comércio mundial, a porcentagem é também pequena, entre 2% e 3%, tanto no que concerne a expansão do comércio exterior como o próprio crescimento, ou seja, o aumento do próprio PIB", analisa Foders.

Latinos em ascensão nos EUA

Para os Estados Unidos sob a administração de George W. Bush, a América Latina era um campo secundário. Excetuadas a integração do México no Tratado Norte-Americano de Livre Comércio (Nafta) e a luta contra a máfia das drogas, os norte-americanos não pareciam ter maior interesse pela região.

Porém há muito ela deixou de ser mero "fundo de quintal" dos EUA, constituindo importante fonte de matérias-primas. "E neste meio tempo, os latinos representam uma parcela muito importante da população norte-americana", acrescenta Federico Foders.

Sua integração na sociedade estadunidense tem sido extremamente bem-sucedida, com a ocupação de cargos importantes, como os de ministros ou professores. "Assim, o recrutamento de pessoas da América Latina é parte importante do desenvolvimento demográfico dos EUA."

Concorrência chinesa

Entre admiração e medo, os latino-americanos observam a crescente presença da China em sua região. Pois por um lado aquele país asiático é bem-vindo como comprador de matérias-primas e produtos agrários. Mas por outro é um duro concorrente nos mercados internacionais, além de inundar os mercados nacionais com produtos baratos.

"A China possui o mais alto índice de crescimento econômico do mundo, entre 8% e 10%. Apesar da crise, o país continua crescendo e tem enorme fome de matérias-primas", comenta o professor da Universidade de Kiel. Assim, seu interesse na América Latina é, em primeira linha, como fornecedora de matéria-prima, em segundo lugar como mercado para os produtos industriais chineses.

"A China já é membro do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) e contribui no financiamento de medidas para infraestrutura em toda a América Latina. Essas medidas visam levar as matérias-primas até os portos e, de lá, para a China."

Presença do Bric

Mas a China não é tudo. Um outro importante ator da economia mundial é o assim chamado grupo Bric, dos principais países emergentes – Brasil, Rússia, Índia e China.

Independente do contexto latino-americano, o Brasil assume uma posição de destaque cada vez maior na política mundial, devido a suas iniciativas – a exemplo do G20 ou do "grupo do Lula" – e seu papel em fóruns internacionais.

Na opinião de Foders, o significado do Bric ainda crescerá. "Trata-se de um grupo muito importante. Seus integrantes dominam atualmente o comércio externo com os países em desenvolvimento e ditarão fortemente o tom nos próximos anos."

Dificuldades multilaterais

O que parece não funcionar tão bem na América Latina é a integração regional. Inúmeras tentativas – seja com a Comunidade Andina, o Sistema de Integração Centro-Americana (Sica) ou o Mercosul – não deram muito resultado até hoje. Assim, cada vez mais nações latino-americanos procuram fechar acordos de cooperação bilateral.

O professor Foders atribui o problema à lentidão das negociações na Rodada de Doha. Enquanto esta não for concluída, "não haverá avanço no comércio multilateral", afirma. Nestas circunstâncias, ele considera a preferência pelos acertos bilaterais "perfeitamente normal". "E nisto a América Latina não está só. Os asiáticos fazem o mesmo, outros países também."

Autor: Pablo Kummetz
Revisão: Roselaine Wandscheer

Leia mais