América do Sul foi continente que mais gastou com armas em 2010 | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 11.04.2011
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

América do Sul foi continente que mais gastou com armas em 2010

Em 2010 o mundo gastou 1,6 trilhão de dólares com armamento militar. Segundo especialista, se não fosse a crise financeira dos últimos anos, esse valor teria sido ainda maior.

default

EUA ainda são maiores investidores nas Forças Armadas

O Instituto Internacional de Pesquisa da Paz de Estocolmo (Sipri, do inglês) divulgou nesta segunda-feira (11/04) relatório anual sobre os gastos mundiais com armamento militar. Em 2010, foi registrado um aumento de 1,3%, ou seja: no ano passado foram gastos no mundo todo 1,6 trilhão de dólares com armas militares.

Enquanto a Europa desce no ranking das regiões que mais investem nas Forças Armadas, a América do Sul sobe. Porém no topo da lista ainda estão os Estados Unidos, mesmo tendo reduzido seus investimentos militares em 2010.

Em segundo lugar encontra-se a China, seguida do Reino Unido. Vindo depois da França, Rússia e Japão, a Alemanha disputa o sétimo lugar com a Arábia Saudita.

América Latina e Ásia

A América do Sul é o continente que mais gastou com armamento militar: segundo o relatório, 63,3 bilhões de dólares. Isto equivale a um acréscimo de quase 6%. Sobretudo no Brasil, o aumento foi considerável: o país é responsável por pouco mais da metade dos gastos militares de todo o continente, informou a especialista do Sipri para a América Latina, Carina Solomirano.

"Isso se deve principalmente a questões geopolíticas. A questão é demonstrar poder para além das fronteiras da América Latina". Solomirano comentou, ainda, que o Brasil quer ter um papel importante no cenário internacional no que se refere à paz e segurança.

USA Militär Kapitän Owen Honors Flugzeugträger USS Enterprise im Atlantik

EUA possuem 11 porta-aviões, China não tem nenhum

Se a maior parte dos países não tivesse sido atingida pela crise financeira nos últimos anos, os gastos com armamento teriam sido ainda maiores, afirma Sam Perlo-Freeman, do instituto de Estocolmo: "Esta foi a primeira vez em muito tempo que a Índia investiu menos em armamento militar. O investimento na China aumentou em 2010, mas com menos intensidade que nos anos anteriores".

"Porém para 2011, Pequim já anunciou que vai investir mais nas Forças Armadas", complementa Perlo-Freeman. Ele cita ainda que os números do instituto indicam que a China já gasta com armamento militar o dobro do Reino Unido – o qual ocupa a terceira posição na escala mundial.

No centro e sul do continente asiático, os números diminuíram pela primeira vez em anos. Timor Leste, Sri Lanka e a Tailândia são alguns exemplos onde se gastou menos com a segurança. Nesta região, a Indonésia apresentou o maior aumento (28%), seguida da Mongólia (26%).

Europa tem outros interesses

Em países como a Bulgária, Estônia e Letônia, os gastos com equipamentos militares caíram mais de 20%. Na Grécia, Hungria, Albânia e Eslováquia, o retrocesso foi de mais de 10%.

A Alemanha – que está no mesmo patamar que a Arábia Saudita – gastou em 2010 cerca de 45 bilhões de dólares com armas, segundo o Instituto de Pesquisa da Paz.

No geral, os gastos militares da Europa caíram ligeiramente (1,3%), fato que Perlo-Freeman explica da seguinte forma: "A maioria dos Estados europeus não se confronta com ameaças militares. Eles se preocupam mais com o terrorismo e, ainda mais, com as mudanças climáticas, que, a princípio, não podem ser combatidas com meios militares", diz.

"Os eleitores europeus estão mais interessados em benefícios sociais e econômicos, e não veem necessidade de altos investimentos militares", explica o especialista. Ele complementa dizendo que nos Estados Unidos acontece justamente o contrário: o país optou por uma política de segurança militar.

EUA, África, Oriente Médio

Zunahme der Rüstungsexporte März 2010

Submarinho U-214 ancorado em Kiel para ser enviado à Marinha grega

A nação do presidente premiado com Nobel da Paz em 2009 gastou no ano passado 700 bilhões de dólares com as Forças Armadas. Este valor é quase 80% superior ao de 2001. Entre 2001 e 2009, os EUA mantiveram um aumento anual médio de 7,4%.

Perlo-Freeman destaca que a China gasta em armamento militar apenas um sexto do que os EUA investem. "Para exemplificar: os EUA possuem 11 porta-aviões enquanto a China não tem nenhum."

Outro destaque do relatório foi a África, continente palco da maior parte dos conflitos armados mundiais recentes. Lá foram aplicados em 2010 30 bilhões de dólares em armamentos, representando um aumento de 5,2% em relação ao ano anterior.

No Oriente Médio também gastou-se novamente mais dinheiro com soldados e armamento: 111 bilhões de dólares em 2010, um aumento de 2,5%. Na região o destaque é para a Arábia Saudita.

BR/dw/afp
Revisão: Augusto Valente

Leia mais