Altar de Pérgamo ganha modelo em 3D | Cultura europeia, dos clássicos da arte a novas tendências | DW | 26.05.2016
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Cultura

Altar de Pérgamo ganha modelo em 3D

Versão digital poderá ser vista em breve no pátio do Museu de Pérgamo, em Berlim. Obra-prima do período helenístico e uma das principais atrações da Ilha dos Museus, altar está fechado para visitação até 2019.

Uma escultura monumental, com mais de 113 metros de largura e dois mil anos de idade acaba de ganhar um modelo em três dimensões que permite conhecer seus detalhes em novos ângulos. O Altar de Pérgamo, principal atração do museu de mesmo nome, em Berlim, está fechado para visitas há dois anos devido a trabalhos de conservação que deverão durar até 2019.

Enquanto o altar passa por reformas, especialistas criaram um modelo exato em versão digital da obra-prima do período helenístico. "Com o modelo, um dos monumento mais importantes da Antiguidade poderá ser vivenciado de uma forma totalmente nova", explicou Hermann Parzinger, presidente da Fundação do Patrimônio Cultural Prussiano, nesta terça-feira (24/05) em Berlim.

Duas semanas antes do fechamento parcial do Museu de Pérgamo, em setembro de 2014, profissionais fotografaram e escanearam detalhadamente com laser os relevos e colunas do monumento. O scanner foi posicionado em 51 lugares da sala que abriga a obra. O trabalho ficou a cargo do Instituto Fraunhofer de Computação Gráfica, localizado em Darmstadt e Rostock.

Antiguidade grega achada por alemães

Pérgamo foi uma cidade grega localizada onde hoje fica Bergama, na Turquia. O altar de mármore, com relevos que mostram deuses da mitologia, foi erguido na primeira metade do século 2 a.C e escavado por arqueólogos alemães entre 1878 e 1886. As peças escavadas foram enviadas a Berlim com o aval do Império Otomano.

Durante a Segunda Guerra Mundial, o altar foi desmontado e armazenado num abrigo antiaéreo na capital alemã. Mais tarde, foi levado pelos soviéticos para Leningrado (atual São Petersburgo) e exposto no museu Hermitage. Só em 1958 as peças retornaram ao Museu de Pérgamo, uma das instituições localizadas na Ilha dos Museus, em Berlim.

Tecnologia a serviço da ciência

Fotografias de alta resolução e medições complexas deram origem a um modelo digital composto por 580 milhões de imagens triangulares, explicou o coordenador do projeto, Pedro Santos, do Instituto Fraunhofer. O resultado ainda não tem data para ser exibido no pátio do Museu de Pérgamo, mas já pode ser conferido no site do museu [link no final da matéria].

De acordo com a diretora-geral interina do museu, Christina Haak, a representação virtual mostra o altar de uma forma ainda mais precisa e abrangente do que quando os visitantes o veem no museu. "A não ser que nós oferecêssemos uma escada para eles", comenta.

A versão tridimensional também facilita a pesquisa, que pode ser feita sem o uso da obra de arte original. Mesmo peças suspeitas de pertencer ao altar podem ser encaixadas eletronicamente, como se fossem partes de um quebra-cabeças, para conferir se fazem mesmo parte do conjunto original.

O Museu Pérgamo, construído para receber o altar, é um dos maiores e mais famosos de Berlim, com cerca de 1 milhão de visitantes por ano. Desde 2013, algumas alas estão fechadas para reforma. A expectativa é que o todo o complexo seja reaberto entre 2025 e 2026. Antes disso, a sala onde fica o Altar de Pérgamo reabre em 2019.

Leia mais

Links externos