1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Cultura

Alta segurança e desilusão culinária na abertura da Berlinale

O filme alemão "Heaven" abriu o festival internacional de cinema de Berlim, na noite de quarta-feira. Medidas de segurança estritas mostram que o trauma do terrorismo também marcou o espetacular evento.

default

"Heaven": o diretor Tom Tykwer e a atriz Cate Blanchett

Este ano, quem quis participar da tradicional recepção após a abertura oficial da Berlinale, teve que se submeter a controles de segurança rigorosos. Como num aeroporto, funcionários etiquetados de " security" e armados de aparelhos de alta tecnologia exploraram cada segredo dos convidados, em seus corpos, casacos e bolsas. Isso, sem falar no já anunciado controle de identidade.

A maioria dos freqüentadores do festival de cinema levou os procedimentos na esportiva. Afinal de contas, as medidas de segurança já estavam vigorando antes de iniciar-se a cerimônia de abertura: ao cair da tarde já havia um verdadeiro engarrafamento masculino diante do Berlinale-Palast. Como grande parte dos câmaras, fotógrafos, técnicos e jornalistas resolveu entrar ao mesmo tempo, logo formou-se uma fila quilométrica. Por sua vez, a entrada para as damas estava relativamente desimpedida.

Nem que seja só para constar, a rede pegou dois peixes: um fotógrafo e um cameraman foram barrados, pois a polícia federal os cortara da lista de admissão. Contudo, após nova checagem dos dados, os dois homens de imprensa receberam finalmente o tão disputado crachá.

A nata da política e do show-business – A saudação aos 2500 convidados coube ao chanceler federal, Gerhard Schröder. Entre as personalidades políticas presentes ao evento, estavam também os ministros da Cultura, Julian Nida-Rümelin, e do Meio Ambiente, Jürgen Trittin, além do presidente do Bundestag (Parlamento Federal), Wolfgang Thierse. A poderosa produtora cinematográfica Regina Ziegler, de Berlim, apareceu lado ao lado com o apresentador de TV Alfred Biolek.

Quem não conseguiu ver o diretor do festival, Dieter Kosslick, pôde ao menos escutar seus breves textos de apresentação. Ele – que antes de assumir o atual cargo, foi diretor-gerente da Fundação de Cinema da Renânia do Norte-Vestfália e de vez em quando faz presença como guitarrista de rock – elogiou em alto e bom som a banda 17 Hippies, como sua preferida. Logo em seguida, os sincopados ritmos balcânicos deste grupo de world music invadiram o salão. Diga-se de passagem, 17 Hippies é também responsável pela música do filme Halbe Treppe (título alternativo: Grill Point), do alemão Andreas Dresen, a estrear no dia 12, dentro da mostra competitiva.

A película de abertura foi Heaven, de Tom Tykwer, que apareceu ladeado pela namorada, a atriz Franka Potente ( Corra, Lola, corra) e a estrela do novo filme, Cate Blanchett ( O senhor dos anéis). Ela divide a tela com o novato Giovanni Ribisi nesta co-produção teuto-americana, sobre um roteiro escrito em 1996 pelo diretor polonês Krystof Kieslowski e que combina pelo menos três gêneros: o suspense, a história de amor e o drama moral.

Fiasco culinário – A recepção teve o patrocínio da região de Piemonte, na Itália, fato que despertou altas expectativas culinárias. Porém, desapontamento para os que esperavam um banquete alla italiana: o cardápio não foi apenas modesto, como cem por cento alemão, incluindo salsicha com pãozinho, torta de cebola e sopa com batatas. Muitos convidados saíram suspirando pelos quitutes das recepções dos anos anteriores, num renomado hotel da capital.

Leia mais