1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

América Latina

Aliança do Pacífico deve evitar tornar-se vítima do próprio êxito, diz analista

Bloco formado por Chile, Colômbia, México e Peru supera desafios iniciais e tem se mostrado mais viável que o Mercosul. Mas especialista lembra que países-membros têm à frente muitos desafios, que não podem subestimar.

Em se tratando de projetos de integração comercial latino-americanos, a primeira instância que vem à mente de muitos europeus é o Mercosul. O bloco – criado em 1991 pela Argentina, Brasil, Paraguai e Uruguai, e que desde 2012 conta com a participação da Venezuela – tem frustrado as expectativas de seus membros e de potenciais sócios, devido a problemas político-econômicos. E agora corre o risco de ficar apagado pela recém-formada Aliança do Pacífico.

A fundação desta foi proposta há apenas três anos, pelo então presidente peruano Alan García. Neste pouco tempo, porém, o bloco formado pelo Chile, Colômbia, México e Peru tem tido bom desempenho. Ele já superou, por exemplo, um dos desafios mais espinhosos ao eliminar, em fevereiro de 2014, as barreiras tarifárias de 92% dos produtos que circulam em seus países-membros.

Nesta quinta-feira (19/06), a Aliança do Pacífico realiza sua nona reunião de cúpula no balneário mexicano de Punta Mita, onde deve anunciar sua ampliação, com a adesão da Costa Rica.

"A plena adesão de Costa Rica e do Panamá já era prevista desde que a Aliança os aceitou como Estados observadores. Por mando de Rafael Correa, o Equador não faz parte do bloco, mas deverá se aproximar da Aliança assim que houver uma mudança de governo nesse país", afirma Ana Soliz Landivar, do Instituto Alemão de Estudos Globais e Regionais (Giga), em Hamburgo.

Ela acrescenta que os líderes latino-americanos deveriam se abrir a políticas econômicas e comerciais mais pragmáticas, como as que prevalecem na Aliança do Pacífico, um grupo que "tem perspectivas promissoras".

"Bloco cumpre o que promete"

Chile Wirtschaft Containerhafen in Valparaiso

Porto de Valparaíso, no Chile, é importante canal de importação na costa do Pacífico

Ainda de acordo com a especialista do Giga, o interesse de outros países no bloco se deve ao fato de ele cumprir o que promete. Desde 2011, o Chile, a Colômbia, México e Peru têm dado impulso à circulação de bens, serviços e cidadãos. Os países também estimulam o turismo entre si, uniram suas bolsas de valores e têm aberto embaixadas conjuntas na Ásia e na África.

"Não há comparação com outros blocos", pois a Aliança se apresenta como um modelo de integração pragmático, facilitando o trabalho e abrindo muitas portas. Segundo Soliz Landivar, o bloco se orienta claramente pelo livre-comércio, entre seus membros e com terceiros. Como não há discordâncias ideológicas até o momento, a interação se faz mais fácil. "Essa visão comum contribui para que os tratados entre seus países tenham continuidade, adquirindo o caráter de políticas do Estado, não de governos passageiros", diz a analista.

Sem negar as virtudes concretas e potenciais da Aliança do Pacífico, a cientista social Claudia Zilla, do Instituto Alemão de Relações Internacionais e Segurança (SWP), de Berlim, ressalta que boa parte do prestígio tem se baseado até agora numa campanha promocional bem orquestrada. A mensagem mais recorrente são as características do conjunto dos países-membros: o bloco tem uma população total de 212 milhões, com cada vez mais poder aquisitivo, e representa 36% do Produto Interno Bruto (PIB) da América Latina e Caribe, região rica em matérias-primas e alimentos.

Perfil próprio

Börse in Mexiko City

Bolsa de valores do México vai se unir com as do Chile, Colômbia e Peru

Zilla teme, porém, que todo esse entusiasmo em torno da Aliança do Pacífico a faça superestimar o que pode alcançar a curto prazo. Pois há alguns pontos fracos – e sérios desafios pela frente. Por exemplo: o bloco é predominantemente comercial, mas os seus membros produzem mais ou menos os mesmos produtos.

"O que fabrica produtos mais elaborados é o México. E isso é um problema. Eles se organizaram para conseguir que suas economias e cadeias de produção se complementem?", pergunta a especialista do SWP.

Por outro lado, aponta, a Aliança prima por um excesso de diplomacia, ao enfatizar que seu objetivo não é competir com o Brasil no mercado sul-americano. Para Claudia Zilla, será interessante ver, em três anos, se os produtos acabados mais consumidos no Chile e Peru são provenientes do Brasil ou do México.

"A Aliança deve desenvolver um perfil próprio, que não esteja definido em função do que outras instâncias, como o Brasil, fazem ou deixam de fazer", aconselha. "Considerando que o que une a Aliança do Pacífico são as relações bilaterais entre seus sócios, cabe perguntar se os Estados-membros defenderão seus interesses em conjunto, para ter uma melhor base de negociação frente aos países da faixa Ásia-Pacífico."

Aos olhos da analista, os países-membros do bloco têm que observar um detalhe muito importante: eles devem evitar se tornar vítimas do próprio êxito, e atentar para que a eficiência do bloco não seja comprometida por uma burocratização excessiva ou pelo crescimento desmedido de sua estrutura.

Leia mais