1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Alemanha vai ajudar Afeganistão a combater narcotráfico

Além da maior ajuda financeira para a reconstrução do Afeganistão, na União Européia, a Alemanha vai ajudar o país a criar de novo a sua polícia e combater o cultivo da papoula, a matéria-prima do ópio e da heroína.

default

Hamid Karzai com a ministra alemã da Cooperação Econômica, Heidemarie Wieczorek-Zeul.

A Alemanha vai ajudar o Afeganistão a criar de novo a sua polícia. Para isso o ministro do Interior, Otto Schily, e o chefe do governo interino afegão, Hamid Karzai, assinaram vários acordos, em Berlim, nesta sexta-feira. O principal deles visa combater a produção e tráfico de drogas. Cinco policiais alemães voarão ainda nesta sexta para Cabul com a missão de abrir um centro de coordenação, onde irão trabalhar 12 enviados de Berlim.

O governo alemão já apresentou um plano para a criação da polícia afegã e o combate à produção de drogas, com propostas de criação de renda alternativa para agricultores deixarem de cultivar papoula, a matéria-prima usada na produção de ópio e heroína. A Alemanha tem experiência histórica no país, pois criou a polícia afegã 40 anos atrás, como lembrou o premier Karzai, na cerimônia de assinatura dos acordos em Berlim

O ministro alemão do Interior destacou na ocasião que o Afeganistão tem de adquirir "a cultura da legalidade". Karzai garantiu, por sua vez, que a nova polícia do seu país será orientada pelo padrão internacional e deverá estar a serviço da segurança civil e estabilidade. Esta foi a situação reinante até que a União Soviética invadiu o país em 1979, segundo o premier afegão. Desde então as pessoas ficaram à mercê da arbitrariedade e da tortura, afirmou ele.

Mais ajuda - O Afeganistão conta, ao mesmo tempo, com ajuda financeira alemã na reconstrução dos sistemas de saúde e educação, assim como no abastecimento de água e energia. Para esses projetos, o Instituto de Crédito para Reconstrução colocou 22 milhões de euros (US$ 19,42 milhões) à disposição em 2002. Ainda este mês deverão ser abertas as primeiras escolas, inclusive para as meninas, que estiveram proibidas de freqüentá-las durante o regime talibã.

A ministra alemã da Cooperação Econômica, Heidemerie Wieczorek-Zeul, manifestou ao premier afegão a esperança de que, depois de 20 anos de guerra, as crianças no Afeganistão possam finalmente ter lápis em vez de Kalachnikov nas mãos. A política social-democrata destacou que, com 320 milhões de euros para os próximos quatro anos, a contribuição bilateral da Alemanha ao Afeganistão é a maior na União Européia. Karzai termina nesta sexta-feira sua visita de três dias ao país e retornará a Cabul.