1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Economia

Alemanha vê onda de trabalho por pouco dinheiro

Número de alemães que se dividem entre dois e até três empregos para sobreviver cresce de maneira alarmante no país. Fenômeno é reconhecido por estudo de cientistas sociais.

default

Mixaria: muito esforço e pouca recompensa

"Pobreza apesar de emprego". Este é o nome de um estudo publicado recentemente por cientistas sociais e que reconheceu o crescimento alarmante do número de pessoas que se dividem no país entre dois ou até três empregos para pagar as contas e se alimentar.

Mais de um milhão de trabalhadores na Alemanha que estão à disposição de seus patrões no sistema full-time recebem menos da metade da média salarial nacional. Essas pessoas geralmente têm mais de um emprego, e freqüentemente sua jornada de trabalho ultrapassa as 50 horas semanais.

Dia longo

O dia para elas costuma começar às 5 horas. E, na verdade, não tem hora para terminar. Um sacrifício grande por apenas 950 euros em um mês. O suficiente para alimentar dois filhos, pagar combustível e aluguel?

Não é como Harry Dauben gostaria que fosse, mas para o entregador de jornais a resposta é 'sim'. De caixa em caixa de correio em Colônia, toda manhã e por seis dias na semana, ele sua o corpo para não entrar no rol dos desocupados.

"Eu faço exercício suficiente", diz. E com pressa, pois o dia para Dauben é curto – são 240 edições em 90 minutos. Na seqüência, ele pega seu automóvel para despachar cartas em nome de empresas privadas.

O rapaz ainda entrega pizzas à noite para complementar o orçamento, já que a tarefa de jornaleiro não lhe oferece todos os recursos financeiros necessários para sobreviver.

A vida de Jörg Hönning é tão complicada quanto a de Dauben. Ele já tem 32 anos e recebe 400 euros mensalmente para atender telefones e prestar informações, em um call center. Isso cobre apenas o aluguel do apartamento e o resto é complementado nos finais de semana, quando ele se transforma em motorista de táxi.

Com 700 ou, com sorte, até 800 euros ao mês, e mais de 50 horas de trabalho por semana, ele consegue se alimentar, ter um teto para dormir, comprar tênis baratos na internet, mas usa o dinheiro que recebe dos pais no Natal para ter um novo par de jeans.

Será?

Frau mit Rechnungen

Desespero atinge mais de um milhão de pessoas na Alemanha

Para o governo alemão este tipo de coisa não deveria acontecer no país. "Um emprego full-time deveria ser o suficiente para manter o trabalhador acima da linha da pobreza e ainda garantir uma forma decente de vida", diz um estudo oficial.

Isto não significa nada para o "telefonista-motorista". "A questão é aquilo de que você precisa. Eu já reduzi minhas necessidades, mas preciso de dinheiro para comer e pagar o aluguel."

Tendência

Enquanto isso, a economia alemã faz pressão para que os salários destes tipos permaneçam baixos. Economistas como Hilmar Schneider, do Instituto para o Futuro do Emprego, de Bonn, acha que os custos dos empregos adicionais precisam se manter baixos para o desenvolvimento deste setor. E que a competição dentro deste mercado deveria aumentar.

"Precisamos nos preocupar em fazer o trabalho básico se tornar novamente atraente", afirmou. "Isto não significa perigo para as pessoas altamente qualificadas ou para trabalhadores especializados em determinadas áreas."

Leia mais