1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Alemanha tem nova "rainha do deserto"

O rali Paris-Dacar de 2004 trouxe surpresas para os alemães. Andrea Mayer terminou a prova em 5º lugar, desbancando a "rainha do deserto", Jutta Kleinschmidt. A Volkswagen pôde acumular experiências com o seu VW Touareg.

default

Andrea Mayer e seu Mitsubishi Pajero: a nova 'rainha do deserto'

A "rainha do deserto" foi destronada por outra alemã. Jutta Kleinschmidt, vencedora do rali Paris-Dacar em 2001, teve de ceder o lugar de melhor piloto alemã de rali à sua compatriota Andrea Mayer. A jornalista de 36 anos de idade, proveniente da região do Allgäu, no sul da Alemanha, integrou a equipe oficial da Mitsubishi, juntamente com o co-piloto Andreas Schulz, de Munique.

A dupla do sul da Alemanha encerrou a Paris-Dacar, no fim-de-semana, em quinto lugar na classificação geral, enquanto Jutta Kleinschmidt e sua co-piloto italiana Fabrizia Pons não conseguiram mais que a 16ª colocação geral, mesmo tendo logrado vencer a penúltima etapa.

Esta foi a melhor classificação de Andrea Mayer no rali Paris-Dacar, do qual ela já participa há sete anos: durante seis anos como motociclista e em 2003 pela primeira vez como piloto de automóvel. A alemã ficou muito satisfeita com o resultado: "Fomos beneficiados pelas panes de alguns concorrentes. Por outro lado, corremos de forma constante e tivemos muito cuidado com o material. O nosso quinto lugar é o resultado dessa forma constante de correr, da boa navegação e da confiabilidade do nosso carro".

Saindo do poço

Apesar de não lograr a mesma performance de anos anteriores, também Jutta Kleinschmidt ficou satisfeita com a classificação. Depois de atolar o carro inteiramente numa enorme poça d'água e de sofrer penalidade de tempo, a dupla Kleinschmidt/Pons ainda conseguiu vencer a penúltima etapa do rali Paris-Dacar, melhorando a sua classificação final para o 16º lugar.

Para Jutta Kleinschmidt, a prova deste ano foi "um rali muito duro e exigente, tanto para as máquinas quanto para nós". A vitória numa etapa teve grande significado para a piloto: "Minha última vitória de etapa foi há dois anos. Foi muito importante conseguirmos voltar ao grupo dos principais concorrentes, com o nosso novo carro. A primeira vitória numa nova situação é sempre a mais difícil. Desejei muito esse êxito a toda a equipe".

Balanço positivo

Para a Volkswagen, a performance das suas duas equipes no rali Paris-Dacar deste ano foi um incentivo para continuar seu engajamento e prosseguir desenvolvendo o off-road VW Touareg. O melhor resultado da escuderia foi logrado pelo piloto francês Bruno Saby, que terminou o Paris-Dacar em 6º lugar. Mas também a vitória de Jutta Kleinschmidt na penúltima etapa foi razão para um balanço positivo.

O VW Touareg foi preparado para o rali Paris-Dacar em apenas sete meses. Sua estréia este ano foi uma verdadeira prova de fogo para o carro. Todos os integrantes da equipe oficial da Volkswagen são unânimes em louvar o potencial do VW Touareg que, a partir de 2005, poderá disputar a prova em pé de igualdade com os legendários off-road da Mitsubishi.

Experiência importante

Segundo Wilfried Bockelmann, diretor de Desenvolvimento da Volkswagen, a experiência obtida nos 11 mil quilômetros rodados pelos caminhos africanos será importante para preparar o VW Touareg para o ano que vem: "Só se pode aprender, medindo-se com os demais nas provas disputadas".

Também o diretor de Automobilismo Esportivo da Volkswagen, Kris Nissen, declarou-se contente com os resultados finais: "Estamos mais do que satisfeitos, pois conseguimos alcançar todas as metas estabelecidas para os dois carros. O sexto lugar na classificação geral e vários resultados excelentes em etapas diárias documentam que o conceito do VW Touareg está correto e que a Volkswagen está no caminho certo".

Leia mais