Alemanha suspende alerta contra consumo de alface, tomates e pepinos | Notícias sobre política, economia e sociedade da Alemanha | DW | 10.06.2011
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Alemanha

Alemanha suspende alerta contra consumo de alface, tomates e pepinos

Autoridades alemãs liberam o consumo de pepinos, tomates e alface, mas mantêm o alerta para brotos. Uma fazenda orgânica da Baixa Saxônia é apontada como foco da bactéria EHEC.

default

Pepinos, tomates e salada fora de risco

Após mais de um mês de incerteza sobre a causa do surto de EHEC, a recomendação de evitar ingerir alface, tomates e pepinos crus foi retirada nesta sexta-feira (10/06) pelas autoridades alemãs. O foco do surto infeccioso estaria num produtor de brotos da Baixa Saxônia.

Segundo o presidente do Instituto Federal de Avaliação de Riscos (BfR, sigla em alemão), Andreas Hensel, a fonte do agente da bactéria que já matou 29 pessoas pode ser restringida a brotos produzidos numa fazenda do estado da Baixa Saxônia, no noroeste da Alemanha.

Os consumidores devem evitar comer brotos crus, disse Hensel. Além disso, todos os estoques de brotos e outros alimentos provenientes da fazenda orgânica "Gärtnerhof", na localidade de Bienenbüttel, devem ser descartados, disse Hensel.

O presidente do Instituto Robert Koch, Reinhard Burger, também afirma que os brotos são a causa da epidemia. Porém, ainda não existem evidências concretas da presença da bactéria intestinal nos brotos. As autoridades baseiam suas suspeitas em inspeções realizadas em restaurantes onde pessoas infectadas pela EHEC comeram. Indícios teriam conduzido ao produtor da Baixa Saxônia.

Além do Instituto Robert Koch, o Serviço Federal de Proteção ao Consumidor e o Instituto Federal de Avaliação de Riscos da Alemanha também mantiveram a afirmação de que os brotos seriam um possível causador das infecções por EHEC.

O presidente do Instituto Robert Koch declarou que os novos casos de contaminação com a EHEC devem cair. "Mas o surto ainda não acabou", disse.

LF/afp/dapd/rtr
Revisão: Alexandre Schossler

Leia mais