1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Brasil

Alemanha supera Reino Unido na cooperação educacional com Brasil

Durante encontro bilateral em Bonn, vice-presidente da Capes diz que alemães e franceses se alternam no segundo lugar em intercâmbios e parcerias na educação superior com as agências brasileiras.

default

Presidente do DAAD, Theodor Berchem, fala na abertura do 3º Fórum Brasil-Alemanha

A Alemanha, que na década passada era o quarto principal parceiro do Brasil em cooperação no ensino superior, atualmente já divide o segundo lugar com a França. A informação foi dada neste sábado (08/09) pelo vice-presidente da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes), professor Renato Janine Ribeiro, durante a abertura do Terceiro Fórum Brasil-Alemanha, em Bonn.

Segundo ele, o crescimento da importância da Alemanha como parceiro do Brasil se deve à similaridade entre as filosofias educacionais adotadas pelos dois países. "É mais fácil para nós colaborar com um país onde o conhecimento não é visto como uma mercadoria. Na Alemanha, o conhecimento é transmitido de forma barata ou gratuita, isso sem falar na alta qualidade científica", destacou Ribeiro.

O vice-presidente da Capes informou que, no caso específico do estudo de recursos hídricos – tema principal do evento – há atualmente 225 bolsistas brasileiros em nível de doutorado pleno financiados pela Capes nos Estados Unidos, parceiro número um do Brasil. Na Alemanha o número chega a 134, no Reino Unido 118 e na França, 99.

No caso do doutorado-sanduíche – no qual o aluno passa um ano em outro país, mas retorna ao Brasil para concluir o estudo –, também na área dos recursos hídricos, há 173 bolsistas da Capes nos EUA, 173 na França, 77 na Alemanha e 42 no Reino Unido.

Cooperação via DAAD

Prof. Renato Janine Ribeiro, Vize-Koordinator CAPES, Brasilien

Ribeiro fez elogios ao DAAD

Ribeiro também elogiou a política executada pela Alemanha por intermédio do Serviço Alemão de Intercâmbio Acadêmico (DAAD). "Talvez pelo fato de que o alemão é uma língua difícil e estranha a muitas culturas, eles tenham percebido que seria preciso uma atenção especial para promover essa cooperação", afirmou.

Segundo o professor, a política de cooperação alemã vem demonstrando mais efetividade do que a dos demais parceiros internacionais do Brasil. "Os EUA não têm uma agência como o DAAD, os contatos são estabelecidos mais pelas próprias universidades. A França tem uma forte política cultural, mas que recentemente vem perdendo seu elã, talvez por já ser mais conhecida. No caso do Reino Unido, desde a reforma feita no governo Thatcher, as universidades perderam recursos e por isso adotaram uma política mais mercantilista, com objetivo de arrecadar", analisou Ribeiro.

Fórum Brasil-Alemanha

III. Deutsch-Brasilianischer Dialog der Zivilgesellschaften

Encontro reúne representantes dos dois países em Bonn

O Fórum Brasil-Alemanha – Diálogo das Sociedades Civis está em sua terceira edição. Criado em 2002 pelo ex-chanceler federal alemão Gerhard Schröder e pelo ex-presidente brasileiro Fernando Henrique Cardoso, o evento tem como objetivo discutir questões políticas, econômicas, ecológicas e culturais relevantes para os dois países e promover a integração entre as sociedades brasileira e alemã.

As duas primeiras edições do encontro aconteceram em Stuttgart e Fortaleza. O evento deste ano em Bonn tem como tema central a questão hidrográfica. Está previsto um total de 11 workshops e uma mesa-redonda, nos quais serão debatidos temas como integração regional, exclusão social, transporte fluvial, gestão de águas, energias renováveis e educação superior, entre outros.

Cerimônia de abertura

O Terceiro Fórum Brasil-Alemanha foi aberto com um discurso do professor Theodor Berchem, presidente do DAAD. Ele destacou a importância das relações entre as sociedades civis brasileira e alemã e defendeu a busca conjunta de "respostas sociopolíticas para a exclusão social".

Em seguida, discursaram o professor Abílio Baeta Neves, coordenador brasileiro do Diálogo das Sociedades Civis e o professor Renato Janine Ribeiro, vice-presidente da Capes. Gerhard Enver Schrömbgens, encarregado da política para a América Latina do Ministério alemão das Relações Exteriores, destacou que o Brasil é o país latino-americano de maior interesse para a Alemanha e que o continente continua sendo uma prioridade para Berlim.

O outro discurso foi do professor Janos Bogardi, diretor do Instituto de Meio Ambiente e Segurança Humana da Universidade das Nações Unidas, sediada em Bonn. Ele comentou a problemática da água no mundo. O ministro brasileiro da Integração Nacional, Pedro Brito do Nascimento, apresentou ao público o programa de transposição do Rio São Francisco, que busca levar o acesso à água ao semi-árido do Nordeste brasileiro.

Leia mais